Marun diz que não se cogita afastamento do diretor-geral da PF

O ministro da Secretaria de Governo disse que "não há nada de grave" na indicação de Segovia de que o inquérito dos Portos poderia ser arquivado

Brasília – O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, afirmou nesta quarta-feira que não está sendo cogitado “de forma nenhuma” o afastamento do diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia.

“Não existe de forma nenhuma essa cogitação”, disse Marun ao ser perguntado se existia a possibilidade de saída de Segovia do cargo.

Marun disse que “não há nada de grave” na entrevista concedida por Segovia à Reuters na última sexta-feira, em que o diretor-geral da PF indicou que o chamado inquérito dos Portos, em que o presidente Michel Temer é investigado por supostamente ter negociado a edição de um decreto que poderia beneficiar a empresa Rodrimar, poderia ser arquivado.

“Eu penso que o diretor-geral deve sim observar inquéritos de grande repercussão. Até para impedir que se transforme em objeto de guerra política”, disse a jornalistas.

Na entrevista à Reuters, Segovia diz que os indícios contra Temer são “frágeis”.

“No final a gente pode até concluir que não houve crime. Porque ali, em tese, o que a gente tem visto, nos depoimentos as pessoas têm reiteradamente confirmado que não houve nenhum tipo de corrupção, não há indícios de realmente de qualquer tipo de recurso ou dinheiro envolvidos. Há muitas conversas e poucas afirmações que levem realmente a que haja um crime”, disse Segovia à Reuters.

Marun manteve a posição do governo de que o diretor-geral falou verdades, e acrescentou que Segovia vai se explicar ao relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luís Roberto Barroso.

“Não existe sequer o crime, não existe ilicitude. Em não existindo isso esse inquérito tem um provável caminho natural que é o arquivamento”, disse Marun. “Vejo o que se chama de tempestade com copo d’água. Ele faz declarações em que verbaliza o óbvio e transformam em um caso político, quando política pode haver na existência do inquérito.”

Veja também
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. sinesio gimene

    claro que nao , os politicos bandidos sabem que tem proteger os bandidos amigos dos bandidos, é um lixo esta politica de tralhas, podre cheira carniça , só melhora quando forem pro paredao de fuzilamento, ai sim começa a melhorar , enquanto tivermos tudo isto que vemos , nao muda nada, a podridao esta instalada nas entranhas de Brasilia, segue como cancer que nem quimioterapia cura, só paredao de fuzilamento sara