Marina Silva adia para amanhã decisão de filiação partidária

Em coletiva de imprensa no início da noite de hoje (4), Marina disse que ainda está conversando sobre o assunto com os integrantes da Rede Sustentabilidade

Brasília – A ex-senadora Marina Silva deixará para amanhã (5), último dia possível, a decisão sobre se filiar a algum partido político para se candidatar nas eleições do ano que vem.

Em coletiva de imprensa no início da noite de hoje (4), Marina disse que ainda está conversando sobre o assunto com os integrantes da Rede Sustentabilidade, partido que está sendo criado por ela e que teve o registro eleitoral negado na noite de ontem.

A idéia de Marina era anunciar hoje a decisão sobre participar do próximo pleito eleitoral. A ex-ministra chegou a convocar e adiar o encontro com a imprensa por duas vezes hoje, mas não conseguiu chegar a um consenso com os dirigentes do futuro partido sobre a possibilidade de se filiar a outra legenda para concorrer.

“Há um pensamento que não é homogêneo. Existem pensamentos diferentes. E o que eu quero é ter uma posição coerente com o legado da Rede, que não tem uma visão diferente só sobre o Brasil, é uma visão de mundo. Há muita responsabilidade em relação à minha decisão”, disse.

Marina não quis adiantar quantas propostas já recebeu de partidos políticos, nem se alguma delas tem mais chance de ser atendida. A ex-senadora se limitou a dizer que, caso decida pela filiação partidária, a agremiação deverá estar comprometida com novas propostas políticas, que “quebrem a polarização” entre governo e oposição.

“Nesse momento o que nós queremos é verificar na realidade política do Brasil quais são aquelas pessoas, movimento e partidos que estão identificados com uma agenda estratégica para o Brasil“, disse.

A ex-ministra convocará nova coletiva de imprensa neste sábado (5) para anunciar se irá ser candidata, para qual cargo e por qual legenda. O prazo para filiação partidária se encerra amanhã, um ano antes das eleições. Mesmo que opte por se candidatar, Marina Silva ressaltou que continuará trabalhando pela criação da Rede Sustentabilidade e disse que a Rede “já é um partido político, porque já tem base social, com militantes em todas as unidades da Federação”.

A Rede Sustentabilidade começou a ser criada em 2011, quando Marina anunciou a ideia de um novo partido voltado para a “sustentabilidade em todos os níveis”. Desde então, as 492 mil assinaturas mínimas necessárias para o registro eleitoral começaram a ser coletadas. Ontem o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indeferiu o pedido de registro da Rede porque o número não foi atingido.

Marina alega que o erro foi dos cartórios eleitorais, que desconsideraram as assinaturas de jovens com menos de 18 anos e idosos, que não são obrigados a votar e por isso foram considerados não quites com a Justiça Eleitoral. Ela reclamou também da morosidade desses cartórios em apurar as assinaturas.