Manifesto de evangélicos fará defesa de Haddad

O comando da campanha petista negocia com pastores a realização de um ato simbólico

São Paulo – A última semana da campanha do candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, será marcada pela divulgação de apoios. De pastores evangélicos a intelectuais, passando por artistas, educadores, esportistas e vereadores eleitos pelo PMDB, acompanhados do vice-presidente Michel Temer e do deputado Gabriel Chalita, tudo foi planejado para mostrar coesão em torno da campanha de Haddad.

O comando da campanha petista negocia com pastores a realização de um ato simbólico, com a entrega de um manifesto assinado por líderes evangélicos. O texto ainda não está fechado, mas o rascunho destaca que o apoio a Haddad ocorre porque o candidato do PT respeita a diversidade religiosa, defende o Estado laico e não instrumentaliza a religião para fins eleitorais.

A entrega do manifesto, que também inclui críticas ao prefeito Gilberto Kassab (PSD), está agendada para segunda-feira (22), mas a data ainda pode mudar. Derrotado no primeiro turno, Chalita tem ajudado Haddad na aproximação com católicos e evangélicos.

Na tentativa de se contrapor à ofensiva de Silas Malafaia, pastor que apoia o candidato do PSDB, José Serra, e faz veementes críticas ao kit anti-homofobia, a equipe de Haddad está conversando com o bispo Robson Rodovalho, da Sara Nossa Terra e da Assembleia de Deus Nipo-Brasileira. Além dele, o pastor Marcos Galdino, da Assembleia de Deus (Ministério Santo Amaro) e o apóstolo Valdomiro Santiago (Igreja Mundial) têm sido procurados por petistas.

Na noite de segunda-feira (22), Temer, Chalita, vereadores e deputados do PMDB promovem um ato pró-Haddad no Clube Espéria (zona norte). Antes, na hora do almoço, haverá uma reunião com esportistas, no Juventus, com a participação do ministro Aldo Rebelo.