Mais de 3 mil fazem manifestação por moradia em São Paulo

Os sem-teto pedem urgência na votação do Plano Diretor da cidade e dizem que o sindicato defende as construtoras, prejudicando os interesses do movimento

Após uma hora de caminhada, manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) chegaram por volta das 16h10 de hoje (18) à sede do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi) para fazer um protesto.

Os sem-teto pedem urgência na votação do Plano Diretor da cidade e dizem que o sindicato defende as construtoras, prejudicando os interesses do movimento.

O MTST reivindica mais áreas destinadas à moradia popular. A Polícia Militar estimou que 3 mil pessoas tenham participado do ato.

“Temos um Plano Diretor que será votado, no qual a área da Copa do Povo ficou de fora. O que acontece é que grandes incorporadoras e construtoras são contrárias ao elenco de áreas de Zeis [zonas especiais de Interesse Social] porque diminuem seu faturamento”, disse Jussara Basso, uma das líderes do MTST.

Durante a manifestação, os policiais multaram motoristas, que estavam no sentido oposto da Avenida 23 de Maio, por imprudência.

“Muitos condutores estavam simultaneamente dirigindo e fazendo imagens da manifestação. Isso é infração de trânsito”, explicou Watanabe.

Na chegada à sede do Secovi, os manifestantes tentaram invadir o prédio, mas a polícia estava posicionada para impedir a entrada dos sem-teto.

De acordo com Jussara Basso, a votação do Plano Diretor pelos vereadores de São Paulo deve ocorrer entre os dias 24 e 25 de junho.

O Secovi foi procurado pela reportagem, mas não se manifestou.