Lula: Estratégia do PT de oposição a Bolsonaro deve ser definida em 2019

Para ele, Bolsonaro terá dificuldades para executar propostas radicais feitas durante a campanha devido ao "sistema de pesos e contrapesos" da democracia

São Paulo – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso em Curitiba, disse a interlocutores do PT que seria melhor esperar até o carnaval antes de definir a estratégia de oposição ao governo Jair Bolsonaro.

Segundo relatos feitos à direção nacional do PT nos últimos dois dias, Lula avaliou que Bolsonaro terá dificuldades para executar propostas radicais apresentadas durante a campanha eleitoral devido ao “sistema de pesos e contrapesos” da democracia. Petistas interpretaram a fala do ex-presidente como uma referência ao Congresso e ao Supremo Tribunal Federal (STF). “Tem que ver os próximos passos. Certamente ele não será a pessoa que foi na campanha”, teria dito o ex-presidente, segundo relatos.

De acordo com petistas, isso não significa que o partido deve ficar inerte. Ao contrário, o partido vai se opor a medidas pontuais de Bolsonaro como a tentativa de aprovar pontos da reforma da Previdência ainda antes da posse desde o primeiro momento. Mas o discurso de combate ao “fascismo” não é suficiente.

Lula também avaliou que Bolsonaro tem um “pepino” nas mãos para a montagem do governo em função das divergências entre os diversos grupos que apoiaram sua candidatura e do discurso eleitoral de não indicar ministros em troca de apoio no Congresso.

Na segunda-feira, 29, Lula recebeu o tesoureiro do PT, Emidio de Souza, e o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, na sede da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde cumpre pena desde o dia 7 de abril. Os dois fizeram relatos das conversas a lideranças petistas. De acordo com os relatos, Lula disse ter passado “dias de angústia” no final de semana, quando ele não pode receber visitas. Ele reclamou de ter passado o dia de seu aniversário no sábado, 27, sozinho.