Lula comparece a missa em homenagem a Marisa Letícia. Acompanhe ao vivo

Lula deve se entregar à Polícia Federal logo após a cerimônia que marca o aniversário de 68 anos da ex-primeira-dama Marisa Letícia

São Paulo — Músicas escolhidas a dedo, forte presença de aliados e um possível discurso de despedida de Lula antes da prisão. Assim deve ser a missa de homenagem à ex-primeira dama Marisa Letícia, celebrada na manhã deste sábado em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC — local onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se encontra desde a noite da última quinta-feira (05), quando o juiz federal Sergio Moro determinou sua prisão.

Veja o vídeo ao vivo da missa gerado pelo PT:

O evento marca o aniversário de 68 anos de Marisa, que morreu em 3 de fevereiro de 2017, depois de sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC).  Marisa foi casada com Lula por 43 anos e o acompanhou desde o início de sua trajetória política. A expectativa é de que o petista se entregue à Polícia Federal logo após a cerimônia.

O ex-presidente escolheu as músicas que serão tocadas na cerimônia. Entre elas, “Asa Branca”, de Luiz Gonzaga, e “Deixe a Vida Me Levar”, de Zeca Pagodinho. A ex-presidente Dilma pediu que também fosse tocada “Maria, Maria”, de Milton Nascimento.

Segundo a jornalista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo, um dos pedidos especiais de Lula foi “Porto Solidão”, de Jessé, que era a música preferida de Marisa.

Entre os artistas que devem aparecer por lá estão Maria Gadú, Tulipa Ruiz, Leci Brandão, Fióti e Thaíde.

Um telão de 4 x 2 metros foi armado no estacionamento do sindicato para transmitir a missa, de acordo com a reportagem de VEJA. As imagens serão captadas pela TVT, canal das centrais de trabalhadores. 

Amigos do ex-presidente, como o ator Osmar Prado e o técnico de futebol Vanderlei Luxemburgo já chegaram ao local.

O vereador petista Eduardo Suplicy (SP) e os deputados federais petistas Arlindo Chinaglia, Maria do Rosário e Vicentinho também estão por lá, assim como os ex-ministros do governo do petista Aldo Rebelo (PSB), Miguel Rosseto (PT) e Aloizio Mercadante (PT).