Locais da tragédia em Realengo não serão mais salas de aula

Diretor da Escola anunciou que as duas salas onde aconteceram os tiros serão transformadas em espaços coletivos

Rio de Janeiro – As duas salas da Escola Municipal Tasso da Silveira onde, na última quinta-feira (7), o atirador Wellington Menezes de Oliveira fez disparos contra os alunos não serão mais destinadas às aulas. Os espaços serão transformados em biblioteca digital e sala multiuso. A informação foi divulgada hoje (11) pelo diretor da escola, Luis Marduk.

As reformas são tentativas de apagar um pouco da cabeça dos estudantes as cenas do massacre e de evitar que eles deixem a escola, disse Marduk, que trabalha há 20 anos no local. Segundo ele, até o momento, foram feitos apenas dez pedidos de transferência.

“Acredito que, se eles ficarem aqui e vencerem o medo, vão afastar o fantasma. Se, neste momento, eles se esconderem em outra escola, vão ficar com essa coisa na cabeça. Temos que ficar aqui dentro e vencer esse terror. Tem que viver essa dor até o final e reconquistar o espaço, que é nosso”, afirmou Marduk.

Ele explicou que a idéia é dar uma “repaginada” na escola e disse que ainda não há prazo para a volta às aulas. O prédio será repintado e as salas de aula não serão mais identificadas por números, apenas por cores. Os próximos dias serão dedicados a atividades culturais abertas à comunidade, com oficinas de pintura, de música e de teatro.

“Não tem nenhuma previsão de reinício de aulas. Na semana que vem, a escola será reaberta à comunidade, aos alunos e responsáveis. Estamos programando atividades de arte e, na segunda-feira (18), haverá um grande evento com a participação de artistas, para que eles motivem o retorno dos alunos à escola.”

Para Marduk, a entrada de Wellington na escola não pode ser considerada uma falha do funcionário que estava encarregado do portão. “Ele [o assassino] teria acesso à Câmara dos Deputados. Ele veio premeditado. Se houvesse um policial militar na porta, ele entraria”, afirmou.

Ex-aluno da escola, Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, atirou indiscriminadamente nos alunos que estavam em duas salas de aula. Doze morreram e dez continuam internados. O atirador foi atingido por um policial e se matou.