Leia em 3 minutos os fatos importantes da semana no Brasil

Quer se informar rapidamente sobre o que ocorreu de importante no Brasil na última semana? Veja os 7 fatos que você precisa saber

São Paulo – A vinda de médicos cubanos ao país e a negação de recursos de mais mensaleiros pelo STF estão entre os destaques da semana. 

1) Brasil vai trazer 4 mil médicos cubanos para o programa Mais Médicos

O que aconteceu: O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciou na quarta-feira que 4 mil médicos cubanos virão ao Brasil para completar as vagas não preenchidas no programa federal Mais Médicos, provocando a ira nas entidades de classe. Ministério Público promete investigar suspeita de trabalho escravo.
Leia mais: Brasil vai trazer 4 mil médicos cubanos e Médicos cubanos seguirão legislação trabalhista de Cuba

2) Começa venda de ingressos da Copa

O que aconteceu: A Fifa iniciou a venda dos ingressos para a Copa do Mundo no Brasil. Em 24 horas, mais de 2,3 milhões de ingressos foram requisitados. Nesta primeira etapa, os pedidos podem ser feito até o dia 10 de outubro. Nos jogos mais concorridos, a maioria dos torcedores vai ficar de fora.
Leia mais: 4 em cada 5 “compraram” e não vão levar ingresso para Copa

3) STF nega recursos de Delúbio Soares e mais 6

O que aconteceu: O STF negou o recurso de mais 7 réus no julgamento do mensalão nesta semana, entre eles o de Delúbio Soares. No total, a Corte já rejeitou os embargos de declaração de 11 dos 25 réus. Os argumentos utilizados até agora diminuem a chance de reavaliar a pena de José Dirceu no futuro próximo. O presidente do Supremo, Joaquim Barbosa, não se desculpou diretamente ao ministro Ricardo Lewandowski, a quem havia acusado de “fazer chicana”.
Leia mais: Supremo rejeita recursos de Delúbio Soares e Barbosa não pede desculpa diretamente e recebe leve sermão

4) Campinas é a metrópole brasileira que proporciona maior bem-estar

O que aconteceu: Um estudo divulgado pelo Observatório das Metrópoles do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia analisou as 15 principais regiões metropolitanas brasileiras e revelou quais oferecem mais – e menos – bem-estar para a população. Campinas e as cidades ao redor, no interior de SP, ficaram em primeiro lugar.
Leia mais: As metrópoles brasileiras que proporcionam mais bem-estar

5) Congresso decide manter todos os vetos presidenciais

O que aconteceu: O governo temia uma derrota acachapante, mas o Planalto conseguiu manter todos os vetos presidenciais na primeira votação feita pelo Congresso Nacional após a formalização de novas regras de análise de vetos pelos parlamentares. Foram eles: Ato Médico (que regulamenta o exercício da medicina), emenda do projeto do Fundo de Participação dos Estados, Medida Provisória 609 (que trata da desoneração da cesta básica) e MP 606 (da bolsa do ProUni e do Pronatec).
Leia mais: Congresso mantém todos os vetos presidenciais

6) ANS suspende 246 planos de saúde, mas Justiça barra

O que aconteceu: A lista de 246 planos cuja venda estaria proibida a partir desta sexta-feira e pelos próximos três meses foi divulgada na última terça-feira, mas no mesmo dia a Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) obteve uma liminar na Justiça que determinou a recontagem das reclamações, desconsiderando alguns tipos, para definir quais planos de saúde seriam suspensos.
Leia mais: ANS suspende 246 planos de saúde; veja lista e ANS entra com recurso para manter suspensão

7) Justiça suspende CPI dos Ônibus na Câmara do Rio de Janeiro

O que aconteceu: A juíza Roseli Nalin, da 5ª Vara de Fazenda Pública do TJ-RJ, decidiu suspender os trabalhos da CPI dos Ônibus, que tem sido motivo de caos no Rio de Janeiro. Os vereadores de oposição, que fizeram o pedido, assim como os manifestantes acampados em frente à sede do Legislativo Municipal, não aceitam o critério de instalação da CPI, que elegeu o vereador e aliado de Eduardo Paes, Chiquinho Brazão (PMDB), como presidente.
Leia mais: Justiça suspende por 2 dias CPI dos Ônibus na Câmara do Rio

Bônus

Romário quer ser prefeito do Rio – Em entrevista à EXAME.com, o deputado Romário fala de como venceu a desconfiança dos eleitores, se encontrou na política e porque quer ser o “grande administrador” do Rio.
Leia: Para Romário, Rio já tem próximo prefeito: ele mesmo.