Lei no Brasil atingia apenas “os mais simples”, diz ministro

Luis Roberto Barroso declarou que a Operação Lava Jato contribuiu para o "fim da percepção de impunidade por quem comete crimes"

Washington – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luis Roberto Barroso, destacou que antes do combate à corrupção empreendida pela Operação Lava Jato a “lei no Brasil atingia pessoas mais simples e não quem cometida crise do colarinho branco.”

A declaração foi feita nesta sexta-feira, 8, durante palestra em Washington, EUA.

Na avaliação de Barroso, “foi crucial a decisão de prisão de suspeitos após condenação de segunda instância”, pois isso gerou um ambiente que contribuiu para o fim da percepção de impunidade por quem comete crimes.

O ministro afirmou que o combate à corrupção no Brasil ocorre dentro da democracia. “A política é um meio básico da sociedade, que precisa ser melhorada”, comentou.

Para Barroso, “talvez nenhum outro país teve coragem em expor suas dificuldades como o Brasil”, especialmente no combate à corrupção.

“Muitas pessoas que foram responsabilizadas por crimes combatem tal decisão. Muitas destas pessoas são poderosas e têm aliados. Não querem ser honestas”, apontou.

O ministro destacou que para um segmento de pessoas a corrupção é vista de forma subjetiva. “A corrupção de quem eu gosto é diferente da cometida por alguém que eu não gosto”, apontou.