Le Pen felicita; acordo da Odebrecht…

Discurso moderado

Em discurso da vitória, o republicano Donald Trump, eleito 45º presidente dos Estados Unidos, agradeceu aos eleitores e colaboradores de campanha.Em tom conciliatório, o magnata prometeu que será um “presidente para todos os americanos” ao anunciar sua vitória nas eleições presidenciais. “A todos os republicanos, democratas e independentes nesta nação lhes digo que é momento que nos reconciliemos como um povo unido”, afirmou. O republicano ainda afirmou que sua administração será um momento de “crescimento nacional e renovação”. “A América não se contentará mais com nada menos que o melhor”, disse.

Le Pen felicita

A líder ultradireitista francesa Marine le Pen felicitou nesta quarta-feira o republicano Donald Trump por sua vitória nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, e também o povo americano. “Felicitações ao novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e ao povo americano livre”, afirma o tweet de felicitação de Marine le Pen divulgado em sua rede social. Le Pen, inclusive, já tem seu lema de campanha para as eleições presidenciais francesas do próximo ano: “Em nome do povo, Marine 2017”. A reação de Le Pen foi uma das primeiras na Europa ao resultado das eleições presidenciais nos Estados Unidos.

O WikiLeaks nas eleições

No dia da eleição presidencial americana, o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, divulgou comunicado em que defende o interesse público por trás do vazamento de e-mails contendo discursos e opiniões particulares da candidata democrata Hillary Clinton. “A vitória real é do público americano, que está melhor informado devido ao resultado do nosso trabalho”, disse. Assange afirmou que só não divulgou nada do republicano Donald Trump porque não havia material. Asilado na embaixada do Equador em Londres, o australiano chegou a ter seu acesso à internet restringido pelo governo equatoriano, que alegou que ele não poderia interferir em assuntos de outros países.

_

Cerveró ao ataque

O ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró reiterou nesta terça-feira acusações contra os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff em depoimento à Justiça de Brasília. O executivo atribui a Lula a indicação ao cargo na BR Distribuidora como retribuição à captação de recursos para quitar dívida do PT — ajudou na contratação do navio-sonda do Grupo Schahin para perdão de empréstimo de 12 milhões tomado por José Carlos Bumlai. A respeito de Dilma, afirma que a ex-presidente colaborou no processo de compra de seu silêncio e fuga — ação na qual Lula é réu. A defesa de Lula diz que o ex-presidente é acusado por “ouvir dizer” e que não há acusação direta contra ele.

Novo inquérito

A Polícia Federal abriu novo inquérito contra o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, na Operação Lava-Jato, por corrupção e associação criminosa. Outros dois executivos ligados à Carioca Engenharia, Ricardo Pernambuco e Ricardo Pernambuco Júnior também constam da investigação por corrupção ativa, associação criminosa e crime contra a ordem tributária. Os executivos são acusados de autorizar pagamento de propina e fraudar “a competitividade de certames licitatórios” da Petrobras. Vaccari já foi condenado a 31 anos de prisão, em três ações penais.

Arquivado

A PF pediu também o arquivamento do inquérito da Lava-Jato contra o senador Lindbergh Farias (PT). O petista foi acusado por Paulo Roberto Costa de ter recebido 2 milhões de reais do esquema na Petrobras para sua campanha para o Senado em 2010. A PF diz, porém, que não há “indícios mínimos de autoria e materialidade” para acusá-lo. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ainda avalia se endossará ou não o parecer. O relator da Lava-Jato no Supremo, ministro Teori Zavascki, decide se o caso será extinto.

Acordo recorde

O Grupo Odebrecht negocia com autoridades de três países um superacordo de leniência, com multa estimada em 6 bilhões de reais. O valor, segundo o jornal Folha de S. Paulo, será dividido entre os países. O problema lá fora é o mesmo no Brasil: pagamento de propina a agentes públicos em troca de contratos, violando Leis Anticorrupção no Exterior. O processo corre paralelamente às delações premiadas que 70 executivos da empresa fazem nas investigações da Operação Lava-Jato, para desvendar esse tipo de esquema de corrupção na Petrobras.

Protesto no Rio

Um grupo de servidores da Polícia Civil e demais representantes do funcionalismo público carioca ocuparam nesta terça-feira o prédio da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Manifestantes protestavam contra o pacote de ajustes fiscais anunciado pelo governador Luiz Fernando Pezão na sexta-feira 4. Entre eles estão a ampliação para 30% do desconto previdenciário nos salários dos servidores e o congelamento de reajustes de bombeiros e policiais militares até 2020. Depois de acordo com a PM, os servidores deixaram a Casa por volta das 17 horas. O pacote proposto pelo governo ainda precisa ser votado pela Alerj.

_

Casa na Caixa

Novas condições de financiamento imobiliário foram anunciadas pela Caixa Econômica Federal. A medida do banco repassa para a população, em todas as linhas de crédito oferecidas, a queda na taxa básica de juros (de 14,25% para 14%) feita no mês passado pelo Comitê de Política Monetária. O valor da taxa cobrada pela instituição passa a variar de 9,75% a 11% ao ano, nos empréstimos feitos no Sistema Financeiro Habitacional, que utiliza recursos da poupança, e de 10,75% a 12,25% na linha de recursos livres.