Lava Jato pode atrasar cronograma do BNDES

O cronograma de investimentos em infraestrutura do banco de fomento deve atrasar pelo menos um ano

São Paulo – O cronograma de investimentos em infraestrutura do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deve ser atrasado em pelo menos um ano em consequência da dificuldade que as empreiteiras investigadas na operação Lava Jato terão para buscar recursos nos bancos privados, disse o assessor da presidência do banco de fomento, Ernesto Lozardo.

Ele previu ainda que a crise pode comprometer financiamentos futuros do BNDES a essas empresas e que, para dar prosseguimento ao programa de investimento em infraestrutura do governo federal, empreiteiras menores devem participar das próximas concessões, eventualmente em parceria com estrangeiros.

“Essas empresas que estão sendo investigadas por contratos estabelecidos com a Petrobras terão restrições de bancos no financiamento de capital de giro”, disse Lozardo, após participar do seminário “Debêntures Incentivadas”, promovido pela Inova, em São Paulo.

“O problema para essas empresas não está nos empréstimos tomados com o BNDES, mas no mercado bancário”, observou, lembrando que na estruturação do financiamento de um projeto de infraestrutura, uma parte dos recursos é aportada pelas empresas.

“Muitas vezes, essas companhias tomam recursos no mercado bancário para entrar com essa participação”, disse.

Ele observou que, além disso, essas companhias estão com sua capacidade de decisão comprometida, porque muitos dos executivos de comando estão presos e fora de suas atividades.

Ampliação

O cronograma do BNDES prevê R$ 242 bilhões em investimento em infraestrutura em cinco anos. “Esse cronograma pode ser ampliado para seis ou sete anos”, disse Lozardo. Mas acrescentou que, “se não forem as grandes, as médias podem fazer as obras que ainda não foram iniciadas”.

Lozardo acredita que a relação do BNDES em novos financiamentos terá de ser olhada com muito cuidado.

“Essa crise não bate no BNDES em relação ao que já está feito. Mas, daqui para a frente, tanto o BNDES quanto os bancos privados vão olhar com mais cuidado para a capacidade de autofinanciamento dessas empresas.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.