Governo vive dúvida sobre a posse da nova ministra do Trabalho

ÀS SETE - Deputada Cristiane Brasil tomaria posse nesta terça, mas a Justiça Federal fluminense suspendeu o ato por meio de liminar

A terça-feira começa com uma grande dúvida para o governo, em nova queda de braço com a Justiça.

A deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) tomaria posse como ministra do Trabalho, mas a Justiça Federal fluminense suspendeu o ato na noite de ontem, por meio de liminar, ao acatar uma ação popular contra a posse pelo fato de a deputada ter sido condenada em processos trabalhistas movidos por dois ex-motoristas. Brasil é filha do também ex-deputado federal e pivô do Mensalão Roberto Jefferson, que comanda o PTB no país.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

A Advocacia-Geral da União informou que vai recorrer da decisão e Temer afirmou que pretende realizar o evento de posse às 15h de hoje. O governo avalia que a suspensão é “frágil”.

A posse estava agendada para as 9h. Ontem, antes da decisão, Cristiane chegou a telefonar para o presidente Michel Temer (MDB) para confirmar se estava tudo certo com sua nomeação e tentar adiantar o ato da posse, na tentativa de se adiantar à decisão judicial. Temer confirmou a posse para a manhã de hoje.

O caso que levou à suspensão da posse veio a público após a nomeação da ministra. Os funcionários eram contratados sem carteira assinada e não recebiam direitos, como férias.

A filha de Roberto Jefferson fechou acordo em um dos casos, em que aceitou pagar 14.000 reais.

No outro, foi condenada a pagar pouco mais de 60.000. O juiz da causa entendeu que o motorista chegava a trabalhar 15 horas por dia, com uma de intervalo.

No final de semana, o jornal O Globo trouxe uma matéria que afirmava que nove das 10 parcelas para a quitação da dívida de 14.000 reais foram pagas por uma assessora de Brasil.

Em meio às polêmicas, a posse da filha, seria uma vitória de Jefferson, que ficou preso pouco mais de um ano por causa do Mensalão.

Ele é o principal cacique do PTB e ainda não decidiu se tentará a eleição para deputado federal em 2018. Juridicamente, existe dúvida se ele pode ou não ser candidato.

Justiça e política, cada vez mais, vêm se cruzando no Brasil. Em fevereiro 2017, o governo Temer recorreu ao Supremo Tribunal Federal para confirmar a nomeação de Moreira Franco na Secretaria-Geral da Presidência. Em 2018, o ano começou com nova polêmica judicial. O ano de eleições, com Lula na pauta, promete.