Preso por engano, homem acusado de assassinar jovem no RJ é solto

Leonardo Nascimento dos Santos estava preso há uma semana depois que testemunhas o apontaram como autor do homicídio

Rio de Janeiro — O jovem Leonardo Nascimento dos Santos, que havia sido preso por engano pela suspeita do assassinato de outro jovem, Matheus Lessa, foi solto no início da madrugada desta quinta-feira (24) do presídio de Benfica, na zona norte do Rio de Janeiro.

Segundo a Secretaria Estadual de Administração Penitenciária, ele deixou a unidade à 0h15. Leonardo estava preso há uma semana depois que testemunhas o apontaram como autor do homicídio, que ocorreu na noite de 15 de janeiro.

Na ocasião, Matheus Lessa foi assassinado durante uma tentativa de assalto no mercado da família. Estudante de psicologia, ele tentou defender a mãe, foi baleado e faleceu logo depois.

A família de Leonardo, no entanto, não aceitou a prisão e afirmou que ele estava em casa na hora do crime. Uma câmera em sua rua mostrava que ele chegou em casa antes do homicídio.

Inicialmente, a Polícia Civil não aceitou a defesa dos familiares e manteve o jovem como suspeito. Mas ontem (23), depois de prender outro homem, que confessou o crime, a polícia pediu a soltura de Leonardo e reconheceu o erro.

Inocentado

A revogação da prisão de Leonardo atendeu ao pedido do Ministério Público do Rio de Janeiro, após a identificação dos verdadeiros assassinos de Matheus: Yuri Gladstone Guimarães e Adeílton Santana de Oliveira, este conhecido por “Boquinha”.

Yuri foi preso por policiais da Delegacia de Homicídios e, além de confessar o crime, acusou Adeílton, que está foragido. A prisão temporária de ambos foi pedida.

Leonardo foi apontado inicialmente por testemunhas como autor dos tiros, devido à sua semelhança física com Yuri.

Com a prisão do verdadeiro autor, o crime foi esclarecido e Leonardo foi inocentado, como sustentavam seus parentes, que chegaram a fazer protestos no final de semana na porta do presídio.

Em seu depoimento à polícia, Yuri apontou “Boquinha” e um terceiro participante no assalto, identificado como Matheus, responsável por dirigir um Ecosport, utilizado na fuga.

Yuri declarou ainda ter atirado em Matheus dos Santos Lessa, quando ele tentou defender a mãe. O assalto, seguido de morte, rendeu aos acusados R$ 30 e um celular, roubado de uma cliente, informou o TJRJ.