Jogo de 2014 ainda não está posto, diz Gilberto Carvalho

O ministro disse ter ficado contente com Dilma na liderança dos votos na pesquisa Ibope, mas disse que é preciso ter cautela, já que o cenário ainda é incerto

São Paulo – O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, disse ter ficado contente com o resultado da pesquisa Ibope divulgado nesta quinta-feira, 24, que mostra a presidente Dilma Rousseff na liderança em intenção de votos na disputa presidencial, mas ressaltou que a orientação dela é focar na entrega de resultados à população até o meio do ano que vem.

“Nosso foco tem que ser a entrega. O terceiro ano de governo é o melhor tempo do ponto de vista de entregar as realizações”, comentou Carvalho, ao chegar para o lançamento do Plano Juventude Viva, em um CEU no Campo Limpo, bairro da capital paulista. “Governar é isso, a gente tem que falar menos e trabalhar muito”, disse Carvalho.

“É bobagem a gente falar que, quando sai pesquisa boa, não fica contente, a gente fica, sim”, comentou Carvalho. De acordo com a pesquisa Ibope, Dilma venceria no primeiro turno da disputa ao Planalto em três de quatro cenários pesquisados. “Mas ao mesmo tempo é um cenário incerto, temos que ter muita cautela”, disse o ministro, que completou: “o jogo (de 2014) não está posto ainda, nem sabemos quem serão os candidatos”.

Carvalho mencionou a intenção do ex-governador José Serra de entrar na disputa, substituindo o senador Aécio Neves, cotado como pré-candidato tucano. Além disso, o ministro apontou que ainda “não se sabe qual vai ser a ordem de prevalência” na chapa Eduardo Campos e Marina Silva.

“O voto ano que vem vai depender de um lado do que nós fizermos e claro também da esperança que gerarmos. Mas para quem está no governo, só gera esperança quando se baseia numa obra que realizou”, apontou Carvalho. O foco, segundo ele, é não voltar as atenções para pesquisas e jogo eleitoral.

Energia enorme

Carvalho disse ainda que o cenário econômico internacional produz instabilidade e há o gasto de “uma energia enorme” do governo para manter o Brasil em uma posição de estabilidade e continuar gerando empregos, o que, segundo Carvalho, “é quase a obsessão da presidente (Dilma Rousseff) diariamente”.

“Ficamos até bastante satisfeitos de ver que enquanto o mundo está nessa crise brutal, continuamos com uma taxa de crescimento modesta, é verdade, mas mantendo nível emprego, a economia estável, e ainda podendo realizar obras”, avaliou Carvalho, ao dizer que o País “continua respirando uma atmosfera positiva”.