Janaína defende fala de general sobre intervenção militar

Em uma série de mensagens no Twitter, a advogada apoia que o Exército atue na defesa da Constituição Federal no caso de uma crise no país

São Paulo – A advogada Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment apresentado contra a ex-presidente Dilma Rousseff, defendeu hoje a fala do general Antonio Hamilton Martins Mourão sobre uma possível intervenção militar no Brasil.

Em uma série de mensagens no Twitter, a advogada apoia que o Exército atue na defesa da Constituição Federal, no caso de uma crise no país, como defendeu o general Mourão na última sexta-feira, dia 15, em reunião na Loja Maçônica Grande Oriente, em Brasília.  O encontro aconteceu depois de Rodrigo Janot, então procurador-geral da República, denunciar pela segunda vez o presidente Michel Temer por participação em organização criminosa e obstrução de justiça

Na palestra, o general colocou a possibilidade de uma intervenção do Exército caso as instituições não solucionem o problema político. “Desde o começo da crise, o nosso comandante definiu um tripé para a atuação do Exército: legalidade, legitimidade e que o Exército não seja um fator de instabilidade”, ele justificou.

Janaína escreveu que as preocupações do general sobre a política brasileira e a atuação das instituições são válidas, e levantou o debate sobre a ação das Forças Armadas durante uma crise, se devem responder ao presidente ou defender a Constituição. Ela também cita a situação na Venezuela, em que o exército permaneceu ao lado do presidente Nicolás Maduro durante os protestos contra a Assembleia Constituinte.

Nesta quarta-feira, o Exército decidiu que não vai punir o general por suas declarações.

Veja também
Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Roberto Guerra

    Punir? Tem é que dar uma medalha, pois somente isto pode tirar a nação das mãos dos bandidos. É a última esperança do povo.

  2. Paschoal Rodrigo

    Só tem uma solução pra salvar nossa nação General Mourão !!!!!!!

  3. Intervenção ou Bolsonaro 2018!🇧🇷😎🇧🇷

  4. LUIZ MAZZONI

    A Veja chamou esta noticia de “pano Quente”, mas pano quente é o que o Temer faz com seus crimes, o General apenas deu um alerta, que suguiro escutarem pois haverao desdobramentos.

  5. Antônio de Oliveira Marques

    O regime militar trouxe prosperidade ao país, em vez do caos e ruína dos comunistas que se alojaram por quase duas décadas no poder da República.
    Governo do PT é muito pior que regime militar.
    A declaração do General se apóia nos fatos que o país vive.
    A intervenção militar é constitucional quando as instituições falham ou não respondem à subversão que ameaça a democracia.
    O Brasil sucumbiu, com instituição e tudo, à corrupção subversiva galopante que assolou o Estado e a nação.
    A palavra do General é correta e aponta sobre o mecanismo constitucional da ação das Forças Armadas em defesa da ordem constitucional, sob atentado alongado desde o Mensalão até o Petrolão e outras barbaridades praticadas para compra de votos, financiamento de campanhas parlamentares federais, presidenciais e de poder legislativo. O General está questionando: onde estavam as instituições, quando tudo isso acontecia?

  6. Haddammann Veron Sinn-Klyss

    PALHAÇADA NOCIVA é isso de “mirnitéru dáis irntegraçõum’ e (mirnistéru dáis transparênça’. Vocês sabem que tão enfurnados dentro do Brasil covardes que fugiram para não defender seus países, e foram trazidos pra cá como mercenários para ‘dar segurança’ à máfias de CORRUPTOS? Precisamos de 150 Bi para deixar mais ou menos as cidades com saneamento básico, e o bovino facão corrupto tem 30 Bi para pretagogia (a ‘cultura’ dos que têm a pele tingida não por sol, mas por adoração ao jabá fácil e altamente diferenciado entre os outros pobres legítimos do mundo).
    “No RJ as línguas de pastor corrupto escorrem pelas ruas, descem em linguetas insuportáveis morro abaixo, e o xurume preto e branquiço acumula nas esquinas; subindo o fedor pútrido, atravessando as grades dos bairros e cidades que se enjaulam. O fétido do horrendo caldo visguento negro se apega ao enfeitamento e vestimentas deprimentes com que ‘os acostumados’ debaixo ‘da bença’ encapam a feiúra; e se mistura com o perfume vagabundo e falso que impregna seus amontoamentos. Alguém diria que tem uma palavra que define isso. Outros vêem a definição no noticiário e na Web”. (Veron)
    Interessante o comentário para o artigo do link abaixo:
    http://veja.abril.com.br/blog/mundialista/mulher-ideal-tao-artificial-que-nem-humana-e-rir-ou-chorar/pagina-comentarios-1/#comment-1604280
    “Isso já foi resolvido há um bocado de tempo; é só enfiá-los embaixo de púlpitos corruptos e eles se matam uns aos outros e se vigiam seguindo o ‘formato’ do ‘adestramento’ social “abençoado”, e se tornam improdutivos, depois imprestáveis. O único problema que ainda persiste é o que fazer com as carcaças e os dejetos sem tratamento que emporcalham as cidades e a Natureza, e subindo o fedor, mancham os campos energéticos do Planeta, deixando os criadores propensos à exterminar tudo”. (Veron)
    Os ‘candidatos’ dessa ladro-patifaria toda, os ‘escolhídus’ das ‘pesquisas’ ditadoras do joguinho imundo já tão aí, embrulhadrinhos pra entrega; só LADRÃO E VAGAGUNDOS e usurpadores, deitões, e PILANTRAS, com suas latas ‘risonhas’ e de ‘marrentos’, mas mentirosos até o fundo do bueiro.
    E a sórdida ‘benção da submissão’ pra implantar a lavagem de cabeça nos estudantes quer invadir as escolas com o xurume dos púlpitos corruptos, em cujos antros os pilantras-bandidos ficam em pencas escorados pelas ‘ações sorciáis du béiin’. CANALHAS!!

  7. Lauro Ferreira Melo

    Doutora Janaína, todos os brasileiros honestos estão de acordo com sua opinião