Já dá para transformar vaga de carro em miniparque em SP

Decreto que regulamenta a instalação de parklets foi publicado no Diário Oficial desta quinta. Qualquer pessoa pode entrar com pedido para criação de área

São Paulo – Já imaginou encontrar, no lugar de uma vaga de carro, um espaço para guardar a bicicleta, tomar um banho de sol, ler um livro, se exercitar, ou ainda relaxar em meio à correria cotidiana? Acredite, os chamados parklets, uma tendência mundial que transforma vagas em zonas de convivência, agora podem virar realidade em São Paulo.

O decreto que regulamenta a instalação desses espaços de lazer em áreas exclusivas para carros foi assinado ontem pelo prefeito Fernando Haddad e publicado no Diário Oficial desta quinta-feira (17).

Qualquer pessoa, física ou jurídica, pode entrar com pedido junto às subprefeituras para instalar um parklet. Por iniciativa própria, a administração municipal também pode propor projetos.

Mas o que dá pra fazer com a vaga?

Popularizados em São Francisco na Califórnia, os parklets ajudam a recuperar o espaço público para o uso coletivo e tornam ruas e bairros mais humanos e amigáveis.

É a geração de espaço para pessoas, e não para carros.

Por isso, sobre o asfalto cinzento, pode ser colocada uma plataforma equipada com bancos, floreiras, mesas e cadeiras, guarda-sóis, aparelhos de exercícios físicos, paraciclos ou outros elementos de mobiliário, com função de recreação ou de manifestações artísticas.

Por ser uma área totalmente voltada para a comunidade, um estabelecimento comercial que queira instalar um parklet em frente à sua loja, não poderá controlar o acesso à área. Ou seja, o parklet não será de uso exclusivo dos clientes.

Intervenções

Durante o meses de agosto e outubro do ano passado, por ocasião do Design Weekend e da 10ª Bienal de Arquitetura, o Zona Verde, a versão paulistana do “parklet”, invadiu São Paulo.

Além do Instituto Mobilidade Verde, participaram do projeto o grupo Design Ok, o Gentilezas Urbanas do Secovi-SP e os escritórios de arquitetura Zoom e H2C.

EXAME.com conferiu de perto a empreitada. Veja no vídeo abaixo: