Ibope: Bolsonaro derrota Haddad no 2º turno no limite da margem de erro

Fernando Haddad, oficializado candidato nesta terça-feira (10), tem 36% no segundo turno contra 40% de Bolsonaro, no limite da margem de erro

São Paulo – O Ibope divulgou nesta terça-feira (11) os resultados da sua última pesquisa presidencial realizada entre os dias 8 e 10 de setembro.

Em relação ao último levantamento, feito nos dias 01 a 03 de setembro, o candidato Jair Bolsonaro (PSL) subiu quatro pontos percentuais, indo de 22% para 26%.

A pesquisa já captura possíveis efeitos do horário eleitoral e as primeiras repercussões da facada em Bolsonaro durante passeata em Juiz de Fora na última quinta-feira (06).

Em seguida vem Ciro Gomes (PDT) com 11% das intenções de voto, seguido por Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB), cada um com 9%.

Como a margem de erro é de dois pontos percentuais para cima ou para baixo, os três estão tecnicamente empatados no segundo lugar.

No entanto, o movimento em relação ao último levantamento mostra estabilidade de Alckmin e queda de um ponto percentual para Ciro e três pontos percentuais para Marina.

Já Fernando Haddad continua subindo, agora de 6% para 8%. Ele era vice da chapa do PT e só foi oficializado como candidato nesta terça-feira (11).

Alvaro Dias (Podemos), João Amoêdo (Novo) e Henrique Meirelles (MDB) tem 3% das intenções de voto cada um.

No segundo turno, Bolsonaro supera Haddad, empata com Marina e perde para Alckmin e Ciro, mas sempre dentro da margem de erro.

Veja os resultados das simulações de 2º turno:

Haddad 36% x 40% Bolsonaro (brancos e nulos: 19%)

Alckmin 38% x 37% Bolsonaro (brancos e nulos: 21%)

Ciro 40% x 37% Bolsonaro (brancos e nulos: 18%)

Bolsonaro 38% x 38% Marina (brancos e nulos: 20%)

E veja as taxas de rejeição, quando os entrevistados devem dizer em quem não votariam de jeito nenhum e podem apontar mais de um nome:

Bolsonaro: 41%

Marina: 24%

Haddad: 23%

Alckmin: 19%

Ciro: 17%

Meirelles: 11%

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Italo Amorim

    kkkkkkkkkkk Duvido muito. O racista tem grande rejeição e o Haddad vai conseguir com certeza ganhar os votos dos outros candidatos que desprezam a violência e o racismo. Ainda é cedo para previsões fajutas.

  2. Luiz Parcianello

    Não é uma questão de gostar ou odiar, nós vivemos em um lugar onde falar que as pessoas são racistas, homofobias, machistas e todos os outros rótulos virou plano de governo de pessoas de índole duvidável. Eu não curto um monte desses rótulos estúpidos e também não curto as pessoas que usam eles, mas esse choro é coisa de pessoa pequena que não tem amor a si mesmo seguindo o jogo tradicional de quem tá no poder. No momento te asseguro que o único que tem condição de trazer segurança e alegria pro nosso país é quem fala a verdade sem se esconder atrás da falsidade. BOLSONARO NELES!!!

  3. Só os analfabetos políticos, cegos, ou sem a menor capacidade de produzir um pensamento crítico poderia votar em um candidato totalmente despreparado, sem conteúdo e destemperado. Sem levar em conta suas declarações e gestos odiosos.

  4. Marcia Candido

    Esse cenário ainda deve mudar muito. Agora que a campanha de TV começou tenho esperança que Alckmin decole e seja nosso próximo presidente.

  5. Bruno Santana

    O Geraldo vai crescer, acho que com os debates e propagandas eleitorais o povo vai ver que ele é o mais preparado, o que mais tem apoio e capacidade.