Homicídio de negros no Brasil é 132% maior que de brancos

Entre 2002 e 2010, enquanto o número de homicídios de brancos caiu, a morte de negros cresceu

São Paulo – O total de negros assassinados no Brasil é 132% maior do que o de brancos. Nos últimos oito anos, entre 2002 e 2010, enquanto o número de homicídios de brancos caiu, a morte de negros cresceu.

Em 2010, foram assassinados no Brasil 36 negros para cada 100 mil habitantes da mesma cor. A taxa de homicídios de brancos foi de 15,5 por 100 mil. Na pesquisa Mapa da Violência 2012 – a cor dos homicídios, de autoria do pesquisador Julio Jacobo Waiselfisz, o grupo dos negros também inclui os pardos.

“A grande desproporção de negros assassinados em comparação aos brancos mostra que a discriminação no Brasil ainda é imensa”, diz o autor da pesquisa, que foi feita em parceria entre o Centro Brasileiro de Estudos Latino Americanos (Cebela) e a Secretaria de Políticas da Promoção da Igualdade Racial.

Essa diferença chega a ser escandalosa em Estados nordestinos. Alagoas é onde mais morrem negros, proporcionalmente, no Brasil: são 80,5 casos por 100 mil habitantes.


Já o total de homicídios de brancos no Estado é baixo: 4,4 casos por 100 mil habitantes, o que o coloca como o segundo menos violento para brancos no Brasil. A situação é semelhante na Paraíba, Estado onde brancos têm menor chance de ser assassinados no Brasil: 3,1 casos por 100 mil. O assassinato de negros é 1.824% maior: 60,5 casos por 100 mil habitantes.

Paulistas

No Estado de São Paulo, apesar de a situação ser menos dramática do que a da região Nordeste, o total de negros assassinados é 32% maior do que o de brancos (12,2, contra 21,5).

A situação piora em períodos de crise, como nos últimos seis meses, quando o crescimento dos assassinatos se acelerou. “Isso é reflexo de 500 anos de história, boa parte dela com escravidão e até hoje com negação de direitos. A morte de negros é tolerada e não choca”, diz Douglas Belchior, da Uniafro – instituição educacional voltada para negros e pessoas de baixa renda – e do Comitê de Luta contra o Genocídio da Juventude Negra.