Haddad vê permanência da F1 em SP “encaminhada”

O prefeito descartou a possibilidade de São Paulo perder o direito de abrigar a edição de 2014 da corrida

São Paulo – O prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou nesta terça-feira que “está encaminhada” a permanência do GP do Brasil de Fórmula 1 no autódromo de Interlagos.

Ele descartou a possibilidade de São Paulo perder o direito de abrigar a edição de 2014 da corrida, dois dias depois de Bernie Ecclestone, chefe da categoria, ter dito que a prova poderá sair do calendário de 2014 se não se adequar às exigências da F1.

“Eu já mandei há mais de um mês uma carta (para a Federação Internacional de Automobilismo) me comprometendo com a reforma do autódromo”, revelou Haddad, que ainda qualificou as notícias que falam sobre a possibilidade de São Paulo perder o direito de ter o GP do Brasil de “irresponsáveis”.

Haddad se pronunciou sobre o assunto um dia depois de os organizadores da prova paulistana afirmarem não temer o risco de a cidade ser excluída do calendário da F1.

Eles se baseiam em um contrato assinado pela Prefeitura de São Paulo e pelo próprio Bernie Ecclestone em 2006, que ampara a organização do evento.

No último fim de semana, quando aconteceu o GP da China, Ecclestone disse ao jornal O Estado de S. Paulo que o autódromo de Interlagos possui a pior estrutura entre todos da F1 e está longe de cumprir as exigências operacionais da categoria, assim como enfatizou estar cansado de aguardar pelo cumprimento das promessas de melhorias e alertou que, caso não tenha a certeza de que haverá mudanças, a prova será retirada do calendário.

Em 2012, o então prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, prometeu incluir no orçamento deste ano uma verba de R$ 120 milhões destinada à reestruturação de Interlagos.

Porém, o montante acabou não entrando no orçamento, e como o mesmo segue o que foi previsto no ano anterior, não é possível fazer grandes intervenções no autódromo paulistano em 2013.