Governo prevê licitação de trem de alta velocidade em maio

Segundo fontes da ANTT, as empresas interessadas, nacionais ou estrangeiras, poderão apresentar ofertas até 30 de abril de 2013

Brasília – O governo brasileiro anunciou nesta quinta-feira a retomada do projeto para a construção de um trem de alta velocidade entre o Rio de Janeiro e São Paulo, uma obra calculada em R$ 33,3 bilhões e que tem licitação prevista para maio de 2013.

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou em seu portal os detalhes da licitação, que terá uma fase prévia de consultas à população, que poderá fazer “sugestões” sobre o projeto até 24 de setembro.

Segundo fontes da ANTT, as empresas interessadas, nacionais ou estrangeiras, poderão apresentar ofertas até 30 de abril de 2013 e a licitação será fixada para o dia 29 de maio.

O processo será dividido em duas fases. Na primeira, será escolhida a empresa ou consórcio responsável pela fabricação dos trens, com a obrigação de transferência de tecnologia e de operaração do sistema.

Na segunda fase, serão eleitos os responsáveis pela construção dos trilhos, das estações e do resto da infraestrutura necessária para o funcionamento do trem.

O projeto se arrasta há praticamente quatro anos e faz parte dos preparativos para a Copa do Mundo de 2014.

No entanto, três licitações anteriores foram declaradas nulas, pois as empresas interessadas rejeitaram certas exigências do governo, como os preços considerados baixos para as passagens.


A última licitação foi realizada em julho de 2011, quando pela terceira vez o processo foi invalidado.

Até agora, empresas da Coreia do Sul, França, Espanha, Japão e Alemanha demonstraram interesse no projeto, que pretende construir uma linha de alta velocidade ao longo de 510 quilômetros entre as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, de onde sairia uma segunda linha de 97 quilômetros até a cidade de Campinas.

Nos últimos meses, autoridades espanholas também avisaram o governo brasileiro que pretendem participar da licitação em função da vasta experiência em trens de alta velocidade, com empresas como a Ineco e a Renfe.

O governo propôs que 60% da obra seja financiada com créditos dos bancos públicos brasileiros, sugestão inclusive que já foi aceita pelo Congresso.

Segundo os cálculos das autoridades, o primeiro trem de alta velocidade da América do Sul transportaria cerca de 33 milhões de pessoas no primeiro ano de operação, e esse número poderia chegar a 100 milhões em 2030.

O projeto foi considerado complexo por muitos especialistas, já que implicará na construção de 90,9 quilômetros de túneis e de outros 107,8 quilômetros de pontes e viadutos para salvar os rios e poder passar pelos desníveis do relevo que apresentam as duas serras que separam São Paulo do Rio de Janeiro.

A retomada do projeto foi anunciada uma semana depois da apresentação de um ambicioso plano de concessões para o setor privado, no valor de R$ 133 bilhões, com o qual o governo pretende melhorar a antiga infraestrutura do país e alavancar a atividade econômica.