Futuro chanceler escolhe embaixador Brandelli como número 2 do Itamaraty

Otávio Brandelli foi promovido a embaixador este ano, na mesma leva que alçou Ernesto Araújo à posição mais alta da carreira diplomática

Brasília – O próximo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, anunciou nesta quarta-feira que o embaixador Otávio Brandelli, atual diretor do Departamento de Mercosul do Itamaraty, será o secretário-geral do Ministério na sua gestão.

Em sua conta no Twitter, Araújo anunciou o nome e afirmou que Brandelli é um embaixador de “grande competência e dedicação”.

“Será meu braço direito para implementar a política externa do presidente Bolsonaro”, escreveu o futuro chanceler.

Brandelli foi promovido a embaixador este ano, na mesma leva que alçou Araújo à posição mais alta da carreira diplomática, o último grupo de promovidos.

É praxe no Itamaraty que o secretário-geral, segundo cargo mais importante na hierarquia da Casa, não seja mais sênior que o ministro das Relações Exteriores. Há dias, desde a indicação de Araújo, diplomatas especulavam quem ele poderia indicar nessa situação.

No entanto, ao contrário da nomeação de Araújo, que causou espanto e apreensão entre diplomatas –não apenas pelas ideias do futuro chanceler, mas pela quebra de hierarquia na nomeação de um diplomata com pouca experiência e que nunca ocupou um cargo de relevância–, a indicação de Brandelli foi vista com alívio pelos colegas.

Fontes ouvidas pela Reuters afirmaram que o embaixador é “experiente, trabalhador, sério e confiável”. Brandelli já foi presidente do Instituto Nacional de Propriedade Intelectual e serviu na Missão do Brasil junto às Comunidades Econômicas Europeias em Bruxelas, e na Delegação Permanente do Brasil junto à Associação Latino-Americana de Integração (Aladi).