Fim de semana da parada LGBT tem shows, debates e exibição de filmes

A 23ª edição do evento acontece neste domingo (23). A capital terá, ainda, uma série de eventos gratuitos com o tema do orgulho LGBT

São Paulo — A cidade de São Paulo recebe neste domingo (23) mais uma edição da parada LGBT, que acontece anualmente há 23 anos, durante o mês de junho, quando se celebra o orgulho das lésbicas, gays, bissexuais e transexuais.

O tema da passeata deste ano é “50 Anos de Stonewall: Nossas conquistas, nosso orgulho de ser LGBT+“. É uma homenagem à série de protestos de junho de 1969 em um bar no bairro do Greenwich Village, em Nova York, chamado Stonewall Inn, contra batidas policiais que miravam a comunidade. 

Para a presidente da Associação da Parada do Orgulho de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros de São Paulo (APOGLBT SP), Claudia Regina, a revolta histórica de Stonewall é um marco importante na luta dos direitos LGBT do mundo todo.

“Ele nos mostra que, independentemente do governo ou de qualquer ameaça que enfrentamos diariamente na rua, dentro de casa ou em qualquer lugar, precisamos ser fortes, resistir e sermos nós mesmos, vivendo e lutando por nosso amor que não difere em nada do amor de outras pessoas. Lembrar de Stonewall é lembrar de nossas conquistas e do nosso orgulho de ser LGBT”, afirma.

De acordo com a organização da parada, a expectativa é que ao menos 3 milhões de pessoas participem da celebração. Entre as atrações confirmadas estão artistas como Gloria Groove, Luisa Sonza, Aretuza Love, Lexa e a ex-Spice Girl Mel C. Veja a programação completa aqui.

A concentração será, como todo ano, no vão-livre do Masp, na Avenida Paulista. A partir das 12h, os trios elétricos começam a percorrer o trajeto, que descerá até a Praça Roosevelt, onde ocorre, às 18h30, um show de encerramento.

A parada de São Paulo é uma das maiores do mundo. Apesar disso, a percepção de que a capital é uma cidade tolerante com a população LGBT caiu 10 pontos percentuais em um ano, de 50% para 40%.

Os dados são da pesquisa “Viver em São Paulo – Direitos LGBTQI+” realizada pela Ong Rede Nossa São Paulo em parceira com o instituto Ibope e divulgada na terça-feira (18).

Outras atrações

Durante o fim de semana, a capital terá ainda uma série de eventos gratuitos com o tema do orgulho LGBT. Veja algumas das atrações:

A Luta LGBT e o Governo Bolsonaro: Sâmia Bomfim, David Miranda, Monica Seixas, Erika Hilton e Maíra Mee Daher debatem a articulação política da comunidade LGBT durante o atual governo, cujo presidente já deu declarações dizendo ser “homofóbico com muito orgulho”. A roda de conversa acontece no sábado (22), na Sede da Apeoesp, Praça da República, 282, a partir das 18h30.

XVII Caminhada de Mulheres Lésbicas e Bissexuais de São Paulo: Todos os anos, no sábado anterior à Parada LGBT, o movimento de mulheres lésbicas e bissexuais organiza um ato próprio. Neste ano, o mote será “a política do ódio não nos representa: mulheres lésbicas e bis, trans e cis, na mesma luta pela vida e por liberdade”. A concentração será no MASP, a partir das 14h.

Pajuball: A Casa Natura reúne diversos ativistas do movimento trans no Brasil, com mesa de conversa, performances e shows. O objetivo é discutir diferentes identidades de gênero e o protagonismo das travestis, pessoas trans e negras em movimentos políticos e sociais como o Stonewall. O evento será na Rua Artur de Azevedo, 2134, a partir das 21h30.

Devassos no Paraíso — o Brasil mostra sua cara: a obra de João Silvério Trevisan, ativista do movimento, faz uma pesquisa profunda para a compreensão da história LGBT no Brasil. No Museu da Diversidade, dentro da estação República do Metrô, há uma exposição inspirada no livro.

Cine na Praça LGBT: Durante a semana, o espaço localizado na Praça Vitor Civita exibe uma série de filmes com temática LGBT. Na sexta-feira (19), às 18h, passará “Paraíso Perdido”, de Monique Gardenberg, seguida de uma apresentação do músico Jaloo. No dia 27, às 19h, será a vez do drama “Desobediência”, de Sebastián Lelio.

Free Walk Tour LGBT: Com saída do Largo Santa Cecília, o passeio visita pontos importantes para história da comunidade LGBT. O Largo do Arouche, as baladas do Baixo Augusta e o Museu da Diversidade Sexual fazem parte do roteiro. Para participar, é preciso chegar no ponto de encontro no sábado (22), às 14h45.

Oficina de Segurança e Defesa Pessoal para LGBTs: No sábado (22), a partir das 15h, a Casa 1 em parceria com o grupo “Piranhas Team” promovem uma oficina de defesa pessoal para a população LGBT. O encontro acontece na rua Adoniran Barbosa, 151.

(Com Agência Brasil)