Fifa descarta investigar Teixeira e vê caso encerrado

O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, é acusado de ter recebido propina de uma antiga parceira de marketing da Fifa

Zurique – A Fifa disse que descartou a possibilidade de analisar novas acusações feitas por um programa de televisão britânico de que três importantes dirigentes, incluindo Ricardo Teixeira, receberam pagamentos ilegais relacionados com contratos de marketing. “O inquérito e o caso estão definitivamente encerrados”, disse a entidade.

O documentário apresentado pela BBC na segunda-feira acusa Ricardo Teixeira, presidente da CBF, Nicolas Leoz, presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol, e Issa Hayatou, presidente da Confederação Africana de Futebol, que são membros do Comitê Executivo da Fifa, de terem recebido recursos da ISL, antiga parceira de marketing da entidade, entre 1998 e 1999. O colapso da empresa com enormes dívidas, causou um julgamento por fraude. 

A FIFA disse que o caso da ISL foi tratado por um tribunal suíço em 2008 e nenhum dirigente da entidade foi acusados de qualquer crime. “É importante ressaltar novamente o fato de que nenhum dirigente da Fifa foi acusados de qualquer crime, nesses processos. Além disso, é importante lembrar que a decisão foi feita sobre as questões que ocorreram antes do ano 2000 e não houve nenhuma condenação judicial contra a Fifa”, disse a entidade, em nota oficial. 

Teixeira, Leoz e Hayatou vão participar na quinta-feira da votação do Comitê Executivo da Fifa que definirá as sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022. Inglaterra, Rússia, Portugal/Espanha e Holanda/Bélgica tentam receber o Mundial de 2018, enquanto Austrália, Estados Unidos, Japão, Catar e Coreia do Sul disputam o direito de receber o evento em 2022.