FHC e Bolsonaro trocam provocações após declaração do ex-presidente tucano

Fernando Henrique Cardoso disse a uma emissora portuguesa que em seu modo de ver o governo Bolsonaro deverá ter um impacto negativo em outros países

São Paulo — O ex-presidente do Brasil Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) trocaram uma série de provocações nas redes sociais, após declaração do tucano de que o governo Bolsonaro deve ser prejudicial à imagem do país no exterior.

Em programa gravado em Lisboa, que irá ao ar no próximo dia 7, FHC disse que em seu modo de ver o próximo governo deverá ter um impacto negativo em outros países. 

“Ele [Bolsonaro] disse que o Mercosul não é prioridade, o que abala a relação do Brasil com parceiros do Sul. Foi dito que, eventualmente, o Brasil poderia cortar relações com certos países”, afirmou.

A declaração foi divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo, que acompanhou o evento Fronteiras XXI, promovido pela Fundação Francisco Manuel dos Santos e a emissora RTP 3, no último dia 3, em Portugal.

Após a repercussão da fala de FHC, Bolsonaro publicou neste domingo (4) em seu Twitter uma foto em que o ex-presidente aparece segurando o livro “Prisoner of the State: The Secret Journal of Premier Zhao Ziyang” (O Prisioneiro do Estado: O Jornal Secreto do Primeiro Ministro Zhao Ziyang), escrito pelo ex-líder do Partido Comunista da China Zhao Ziyang. 

A publicação do presidente eleito teve mais de 22 mil curtidas e, a maioria dos comentários, acusa o tucano de ser comunista. Um deles é o do dono das Lojas Havan, Luciano Hang, que diz: “FHC enganou a mim e a todos os Brasileiros. É um comunista”.

Na manhã desta segunda-feira (5), FHC respondeu à provocação. Em seu Twitter, ele escreveu que “a desinformação é péssima conselheira, sobretudo vinda dos poderosos”.

Durante a corrida eleitoral, FHC já havia tecido críticas a Bolsonaro. No 2º turno, o tucano declarou que não votaria no candidato do PSL, mas também negou que apoiaria seu adversário, o petista Fernando Haddad.

Memórias de Zhao Ziyang

O livro que FHC segura conta as memórias do ex-general e secretário do partido comunista chinês Zhao Ziyang, que foi demitido, deposto e preso após apoiar os estudantes que promoveram os protestos na Praça da Paz Celestial, em 1989.

Os manifestantes reclamavam dos excessos de repressão e corrupção do governo e tiveram seus atos suprimidos pelo exército chinês. A obra, que foi produzida inteiramente em segredo, foi publicada em em maio de 2009, cinco anos após a morte do ex-líder chinês.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s