Faltam pelo menos 40 votos para aprovar a reforma da Previdência

ÀS SETE - São necessários 308 deputados favoráveis em dois turnos para que a PEC seja aprovada na Câmara dos Deputados

Assim como aconteceu no domingo, o presidente Michel Temer convocou para esta quarta-feira nova reunião para contar as migalhas da reforma da Previdência.

A previsão era de que o texto suavizado da proposta de emenda à Constituição que altera as regras da aposentadoria fosse ao Plenário, mas não houve consenso na base aliada que desse mínimo de votos esperado pelo governo.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

São necessários 308 deputados favoráveis em dois turnos para que a PEC seja aprovada na Câmara dos Deputados. O governo quer 320 como margem de segurança, mas hoje tem 280, segundo suas próprias contas.

Nas reuniões de hoje, haverá um novo cálculo, ainda que nada indique que o panorama tenha melhorado – exceto pelas declarações dos próprios ministros palacianos.

“Cresceu muito a probabilidade de a gente aprovar. Nós estamos avaliando, é claro que não se tem facilidade, mas cresceu muito”, disse Eliseu Padilha, ministro-chefe da Casa Civil. “Se os sete partidos [da base] fecharem questão, seguramente nós teremos do PSDB uma posição também favorável”.

O governador paulista Geraldo Alckmin embarcou no discurso, dizendo que seu apoio é integral à reforma da Previdência, sugerindo discretamente que defende fechamento de questão pelo PSDB. Pesa contra a entrevista de Henrique Meirelles ao jornal Folha de S. Paulo, que disse que o PSDB não apoia integralmente as políticas econômicas do governo.

O ministro da Fazenda chamuscou o tucanato e provocou reações, inclusive do líder da bancada, Ricardo Tripoli (SP). “É um desrespeito dele com a bancada federal, que ajudou tanto o governo até agora”, disse o deputado.

Pesquisa da consultoria política Arko Advice com 218 deputados federais, de 24 partidos, mostra que 57,8% não acreditam que a reforma da Previdência saia na gestão do presidente Michel Temer.

A Arko fez a mesma pesquisa em outubro e a descrença era de 78,7%. No geral, a consultoria vê 45% de chances de que a reforma seja aprovada antes de 2019. Faltam 17 dias para o início do recesso parlamentar.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. hudson ferreira sales

    São esses os números do governo? Não é muito otimismo para quem quer que o representante político vote contra os interesses do próprio representado que o constituiu?

  2. Aparecida Santanna

    ALCKIMIN é quem vai fazer a reforma, não este governo corrupto do PMDB E PTB…NÃO A REFORMA DA PREVIDÊNCIA, OS PARTIDOS QUE ACOLHEREM ESTE PROPOSTA INDECENTE VAMOS RICAR DO MAPA DA VOTAÇÃO…….60 ANOS ESTÁ DE BOM TAMANHO, MAIS DO QUE ISTO É INDULGENTE, DESCABIDO, DESMEDIDO…..
    A mídia não vai enaltecer a VOZ do POVO, a mídia só enaltece políticos e empresários NÃO É MINORIA que é contra a REFORMA DA PREVIDÊNCIA, A GREVE É PRA MOSTRAR QUE A MAIORIA DA NAÇÃO ….Somos a maioria então o governo tem que respeitar a posição desta grande parcela da NAÇÃO.

  3. eduardo puschel

    Se deputados e senadores de meu estado em quem votei, ajudarem a aprovar nessa infâmia lembrarei deles em 2018 não esperem meu voto. Nunca vi tanto apoio a um presidente ilegítimo, rodeado de ministros denunciados por corrupção, com altíssima rejeição popular é achar que o povo é burro mesmo e não lembrarão deles nas próximas eleições.

  4. eduardo puschel

    Se deputados e senadores de meu estado em quem votei, ajudarem a aprovar nessa infâmia lembrarei deles em 2018 não esperem meu voto. Nunca vi tanto apoio a um presidente ilegítimo, rodeado de ministros denunciados por corrupção, com altíssima rejeição popular é achar que o povo é burro mesmo e não lembrarão deles nas próximas eleições.