Fachin nega pedido de Lula para suspender ação sobre tríplex

O ministro do STF afirmou não ver qualquer ilegalidade que justifique a suspensão do processo na instância de origem

Brasília – O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou o pedido de liminar feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para suspender a ação penal sobre o tríplex no Guarujá que tramita na 13ª Vara Federal de Curitiba, do juiz Sérgio Moro.

A decisão do ministro foi tomada em uma reclamação apresentada no STF, na qual a defesa de Lula pedia para ter acesso a informações sobre eventuais acordos de colaboração premiada negociados pelo ex-presidente da OAS Léo Pinheiro e o executivo Agenor Franklin Magalhães Medeiros.

A defesa de Lula sustenta que essas informações podem influenciar diretamente a ação penal a que responde seu cliente e questiona o fato de Moro ter negado acesso a “eventual e incerto acordo de colaboração não celebrado”.

Na decisão, Moro, no entanto, acolheu o pedido para que o Ministério Público Federal, nas alegações finais, informe se o acordo tiver sido celebrado, caso não esteja sob sigilo decretado por outro juízo.

Ao negar a liminar, Fachin afirmou não ver qualquer ilegalidade que justifique a suspensão do processo na instância de origem.

Para o ministro, como não há elementos seguros para verificar se o acordo foi fechado, não há como dar acesso aos documentos.

Veja também
Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jefferson Barra

    chupa molusco

  2. Lula, eu se fosse você fugiria do Brasil e iria para Cuba, viver dos bilhões desviados do Mais Médicos. A cadeia te aguarda, vagabundo! Papuda no papudo!

  3. Nathan Khornnes

    O povo brasileiro implora ao Judicia’rio: PRENDAM O LULA, e lavaremos a nossa alma. Prendam-no, e confisquem seus bens e os de seus filhos e parentes pro’ximos e revertam o resultado aos cofres do povo. Mas prendam-no, por favor, nao fiquem no “lero-lero”, pois a opiniao pu’blica reivindica isso das poucas autoridades do judicia’rio a quem podemos confiar.