Fã da ditadura militar, Bolsonaro foi espionado pela… ditadura

Os espiões do SNI ficaram no encalço do então capitão do Exército e de sua família devido à publicação de um artigo

São Paulo – Apoiador fervoroso da ditadura militar, o deputado federal e presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) foi espionado pelos órgãos de informação do regime, entre os anos de 1986 e 1989.

A informação foi revelada neste domingo por uma reportagem publicada pelo jornal O Globo, que vasculhou os documentos do SNI (Sistema Nacional de Informações) que integram o acervo do Arquivo Nacional sobre esse período da história brasileira.

De acordo com a notícia, os espiões da ditadura militar ficaram no encalço do então capitão do Exército e de sua família devido à publicação, em 1986, de um artigo em que Bolsonaro reclamava do valor dos salários dos oficiais de baixa patente.

Ainda segundo a reportagem, o objetivo do SNI era obter informações sobre a recepção nos quartéis das afirmações feitas por Bolsonaro no artigo “O salário está baixo” – havia o medo de um movimento que pudesse ir contra os propósitos da ditadura, que, naquela época, buscava entregar o poder aos civis.

Os espiões descobriram que, pouco tempo depois, até mesmo o PCdoB e o PCB emitiram comunicados para seus integrantes explorarem ao máximo o artigo do então capitão do Exército nos quartéis, de acordo com o jornal.

Por conta da quebra da hierarquia, Bolsonaro pegou 15 dias de prisão. A espionagem, contudo, não parou por aí.

Um ano depois, o hoje deputado federal deu uma entrevista em que falava sobre um plano de bombas nos quartéis, e os espiões voltaram a ficar no encalço dele e de sua família.

Devido ao conteúdo de sua entrevista, Bolsonaro foi julgado e condenado pelo Comando Militar do Leste (CML), mas absolvido em última instância pelo Superior Tribunal Militar (STM). O deputado federal nega ter pensando no plano, segundo a reportagem de O Globo.

Corrida presidencial

Pesquisa Datafolha publicada neste domingo sobre as intenções de voto dos eleitores para presidente da República mostra que o ex-presidente Lula (PT) ainda lidera nos primeiros e segundo turnos.

Mas, sem o petista na corrida presidencial, Bolsonaro continua à frente dos concorrentes, com 19%, seguido de Marina Silva (Rede), que oscila entre 14% e 15%, Ciro Gomes (PDT), que oscila entre 10 e 11%, Geraldo Alckmin (PSDB) com 7% e Alvaro Dias (Podemos) com 4%.

Em uma outra pesquisa com 204 investidores institucionais realizada pela XP Investimentos, o pré-candidato do PSL foi apontado como vencedor das eleições por 48% dos respondentes.

Na comparação com o levantamento anterior, feito em abril, houve um aumento na percepção que Bolsonaro ganharia as eleições. Antes, o deputado era indicado por apenas 29% dos respondentes.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Adeildo da Cunha

    Que desespero revista Exame.
    Querem a qualquer custo denegrir Bolssonaro. Pra isso desenterram assuntos já esclarecidos há muito tempo. Ainda dizem que são imparciais. Sei!!!???

  2. Ditadura nunca existiu, o que existiu foi Regime militar.. o regime militar foi quando os militares lutaram contra a ditadura que o comunismo havia implantado no Brasil. Regime Militar salvou o Brasil de hoje em dia ser uma ditadura!

  3. O Brasil é quase comunista, ou seja, quase uma ditadura. Por isso a mídia não apoia Bolsonaro, que é totalmente contra a Ditadura, contra o comunismo! Olhem ora Venezuela, cuba, são todos comunistas, lá vive uma ditadura.. só os militares podem salvar aqueles países, e acabar com a ditadura! Assim como os militares fizeram aqui no Brasil. Bolsonaro é contra o comumismo, contra a ditadura, ele vai salvar o Brasil, por isso a mídia o odeia.