Assassino de Marielle pode ter deixado marca de digital em bala

Especialistas disseram que, a princípio, os fragmentos não seriam suficientes uma identificação no banco de dados, mas podem ser testados em suspeitos

São Paulo – Especialistas envolvidos na investigação do assassinato da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista, Anderson Gomes, teriam identificado fragmentos de digitais nas cápsulas de pistola 9 milímetros usadas no crime.

A princípio, os fragmentos não seriam suficientes para uma comparação com impressões digitais armazenadas em bancos de dados da polícia.

Mas poderiam, no entanto, ser confrontadas com as de eventuais suspeitos, segundo informou o jornal “O Globo”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.