Ex-deputado cita chefe da Casa Civil e Aécio para Lava Jato

O ex-presidente do PP Pedro Côrrea afirma ter informações suficientes para conectar 100 políticos com o esquema de corrupção em contratos da Petrobras

São Paulo – O ex-presidente do PP Pedro Côrrea afirma ter informações suficientes para conectar 100 políticos com o esquema de corrupção em contratos da Petrobras, segundo informações do jornal Folha de S. Paulo.

Entre os nomes citados pelo ex-deputado na negociação por uma delação premiada estão Jaques Wagner, ministro-chefe da Casa Civil, Aldo Rebelo, ministro da Defesa, e o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

Côrrea, que já cumpria sete anos de prisão por envolvimento no esquema do Mensalão, foi condenado a passar 20 anos preso por corrupção e lavagem de dinheiro. Segundo a sentença, ele recebeu 11,7 milhões de reais em propina.
Para abrandar a pena, o ex-deputado negocia um acordo de delação premiada com a Operação Lava jato e a Procuradoria-Geral da República.

No entanto, segundo o jornal, até o momento, Côrrea ainda não teria entregado nenhuma prova contundente de que possui informações suficientes e inéditas para colaborar com as investigações.

Suspeitas

Essa não é a primeira vez que Wagner e Aécio são citados no âmbito da Operação Lava Jato.

Ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner

Em seu acordo de delação premiada, Nestor Cerveró, ex-diretor da área Internacional da Petrobras, afirmou que o chefe da Casa Civil recebeu dinheiro desviado da estatal para a sua campanha ao governo da Bahia, em 2006.

Além disso, mensagens de celular interceptadas pela Polícia Federal sugerem que Wagner teria ajudado o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro a negociar liberação de recursos para a empreiteira.

Já Aécio Neves, candidato à presidência da República derrotado em 2014, é acusado de ser o destinatário final de 300 mil reais em propina entregues por um funcionário do doleiro Alberto Youssef para um diretor da UTC. 

Para a CPI da Petrobras, Youssef ainda afirmou que o ex-deputado José Janene (PP-PR) teria acusado o senador de receber dinheiro desviado dos contratos de Furnas.