Evo Morales pede que Brasil devolva senador para a Bolívia

Presidente boliviano pediu para o Brasil devolver senador Roger Pinto Molina, investigado em seu país por corrupção

La Paz – O presidente da Bolívia, Evo Morales, pediu nesta quarta-feira que o Brasil “devolva” o senador Roger Pinto, que fugiu de La Paz para Brasília e está sendo investigado em seu país por corrupção.

“É importante devolver Roger Pinto à Justiça boliviana para que ele seja julgado como qualquer autoridade que está envolvida em casos de corrupção”, disse Morales em entrevista coletiva.

Esta é a primeira vez que Morales se pronuncia sobre esse tema, que provocou um conflito diplomático com o Brasil.

O presidente boliviano declarou que se um caso como este ocorresse com ele, mandaria para a fronteira um acusado de corrupção como Roger Pinto.

Morales insistiu que o senador não é um perseguido político e que sua fuga é a prova de que é “um criminoso confesso”.

Roger Pinto fugiu para o Brasil na sexta-feira passada, quando deixou a embaixada brasileira em La Paz com a ajuda do diplomata Eduardo Saboia e o apoio de fuzileiros navais, em dois carros oficiais da delegação diplomática.

O senador estava asilado na embaixada brasileira desde 28 de maio de 2012, quando pediu asilo político ao Brasil argumentando que era alvo de uma perseguição política e que enfrentava na Bolívia vários julgamentos promovidos pelo governo por denúncias de corrupção, das quais ele nega.


A aparição do senador boliviano no Brasil, sem o salvo-conduto necessário do governo boliviano para deixar legalmente o país, provocou a saída do ministro das Relações Exteriores Antonio Patriota, que foi substituído no cargo nesta quarta-feira por Luiz Alberto Figueiredo.

Morales ressaltou hoje que não entende e que o incomodou o fato de que funcionários da embaixada brasileira em La Paz tenham usado carros diplomáticos para que Roger Pinto fugisse para o Brasil.

“É importante que o governo do Brasil explique a razão desta operação e estamos esperando (uma resposta) para a nota oficial diplomática enviada pela Chancelaria boliviana”, acrescentou.

O líder reiterou que existem quatro ordens judiciais que proíbem a saída do senador boliviano do país e uma condenação de um ano de prisão por um dos casos de corrupção em que é réu.

Além disso, Morales assegurou que o senador não estava sob vigilância e que sua vida não estava em perigo, salvo quando os funcionários da embaixada do Brasil decidiram levá-lo para o território desse país.

“O senhor Roger Pinto podia circular sem nenhum problema na Bolívia. Só não poderia deixar o país por ordem da Justiça boliviana”, enfatizou Morales.

*Matéria atualizada às 14h52