Estado do Rio registra 100º caso de febre amarela, com 45 mortes

O último caso registrado foi no município de Trajano de Moraes, na região serrana

O estado do Rio registrou hoje (28) o 100º caso de febre amarela e a 45ª morte pela doença. O último caso registrado foi no município de Trajano de Moraes, na região serrana.

A vítima é uma mulher com cerca de 60 anos, moradora na zona rural, no distrito de Barra dos Passos. Ela morreu no fim de semana, mas a confirmação só ocorreu nesta quarta-feira. Antes dela, havia morrido um homem, de 32 anos, também morador da área rural de Trajano de Moraes, na localidade de Serra das Almas.

A prefeitura do município informou, por meio de sua assessoria, que em 2017 foram aplicadas 8.505 vacinas e que este ano já foram aplicadas 400 doses.

Trajano de Moraes tem 12.320 moradores, mas é muito procurado por turistas, principalmente nos finais de semana, por suas matas e cachoeiras. A prefeitura pediu um reforço de 2 mil doses e fará a imunização, inclusive no sábado, Dia D de combate à febre amarela.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, a lista com os municípios onde foram registrados casos da doença é a seguinte: Angra dos Reis, 19 casos, sendo dez mortes; Valença, 18 casos e seis mortes; Teresópolis, 13 casos e seis mortes; Nova Friburgo, oito casos e três mortes; Duas Barras, oito casos e uma morte; Sumidouro, sete casos e duas mortes; Cantagalo, cinco casos e três mortes; Rio das Flores, três casos e duas mortes.

A lista de municípios afetados prossegue: Engenheiro Paulo de Frontin, dois casos, sendo duas mortes; Carmo, dois casos e uma morte; Mangaratiba, dois casos e uma morte; Maricá, dois casos e uma morte; Vassouras, dois casos e uma morte; Paty do Alferes, dois casos e nenhuma morte; Cachoeiras de Macacu, uma morte; Miguel Pereira, uma morte; Paraíba do Sul, uma morte; Piraí, uma morte; Petrópolis, um caso e nenhuma morte. Na lista, atualizada até terça-feira (27), Trajano de Moraes aparecia com uma morte, mas, com mais este caso fatal confirmado pela prefeitura, o município totaliza dois óbitos.

A Secretaria de Estado de Saúde ressalta que os macacos não são responsáveis pela transmissão da febre amarela, que é transmitida pela picada de mosquitos.