Espero que não, diz Bretas sobre suposto abafa à Lava Jato do Rio

O magistrado esteve em Curitiba para a pré-estreia do filme "Polícia Federal - A Lei É Para Todos"

Curitiba – O juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio, afirmou nesta segunda-feira, 28, após ser questionado se a Operação Lava Jato no Estado estaria sendo sufocada, “esperar que não”. O magistrado esteve em Curitiba para a pré-estreia do filme “Polícia Federal – A Lei É Para Todos”.

O magistrado teve decisões reformadas pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, na Operação Ponto Final – desdobramento da Lava Jato que investiga corrupção no setor de Transportes do Rio e chegou a prender o empresário Jacob Barata Filho, o “rei do ônibus” do Rio. Mendes soltou Jacob e outros oito investigados da Ponto Final. Além de atender o pedido das defesas, o ministro do Supremo ironizou decisões de Bretas, que chamou de atípicas.

O juiz da Lava Jato no Rio, assistiu ao filme ao lado do juiz federal Sérgio Moro, da Lava Jato, em Curitiba, e considerou o longa “excelente”.

A obra, que estreia no 7 de setembro, destaca cenas de ação, histórias da força-tarefa e personagens que ganharam relevância a partir das investigações do início da Operação Lava Jato até março de 2016, sob a ótica da equipe da Polícia Federal.

Ambientado no Paraná, Estado onde nasceu a operação, o longa parte do ponto de vista do delegado Ivan (Antonio Calloni), que coordena a força-tarefa em conjunto com o Ministério Público e mostra os bastidores: obstáculos, conflitos e as pistas que levaram esses policiais ao esquema de desvio de dinheiro público.

O filme é inspirado no livro homônimo de autoria de Carlos Graieb e Ana Maria Santos e monta o passo a passo da investigação e os esforços para desvendar o esquema de lavagem de dinheiro e desvios para pagamento de propina para executivos de uma estatal petróleo, empreiteiras, partidos políticos e parlamentares.

O elenco conta Antonio Calloni, Flávia Alessandra, Bruce Gomlevsky, Marcelo Serrado, João Baldasserini, Rainer Cadete, Ary Fontoura, entre outros. O filme foi produzido por Tomislav Blazic (New Cine & TV) e tem roteiro de Gustavo Lipsztein e Thomas Stavros.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. luizPCarlos Dgrecco

    As pessoas ainda não perceberam mas Janot esta saindo e deixando pra traz a delação premiada do segundo maior corruptor do país que é LÉO PINHEIRO da OAS e ao mesmo tempo sinalizando que a LAVA JATO esta próximo do fim. Ai vem o FUX que da cidade maravilhosa onde atua a maior e mais poderosa ORCRIM do judiciário, onde atua a OAS fortemente e também sinaliza por uma conspiração contra a LAVA JATO. Pra quem não sabe, o Léo Pinheiro é o maior corruptor de autoridades do judiciário, essa é sua especialidade, corromper juízes, ministros do STF, procuradores e promotores, pra montar esquemas fraudulentos como o do pedágio da linha amarela no rio de janeiro. A maioria dos ministros do STF moram e ou tem residencia no Rio de Janeiro, a maioria tem vínculos fortes com o sistema politico local, e não é a ODEBRECHT a mais atuante das empreiteiras nessa capital.