Espanha busca consórcio para trem-bala entre Rio e São Paulo

As ofertas devem ser apresentadas até 13 de agosto

São Paulo – A ministra de Fomento da Espanha, Ana Pastor, disse nesta segunda-feira, durante uma visita ao Brasil, que seu país prepara um consórcio de empresas públicas e privadas para competir na primeira licitação do futuro trem de alta velocidade entre Rio de Janeiro e São Paulo.

Ana afirmou que a Espanha “tem os requisitos para concorrer em um concurso como este”, durante a inaguração em São Paulo do Fórum Efe Café da Manhã, um ciclo de encontros com personalidades da política e da economia no Brasil, além de jornalistas, patrocinado pela empresa espanhola Indra.

As ofertas devem ser apresentadas até 13 de agosto, por um valor de “bilhões” de dólares, embora a quantidade final dependerá das propostas das empresas concorrentes, explicou à Agência Efe Julio Gómez-Pomar, presidente da empresa ferroviária Renfe.

“Nós definiremos em breve o consórcio espanhol que vai se apresentar”, disse o diretor, que acompanhou a ministra na viagem ao Brasil.

Toda a obra requer um investimento de R$ 35 bilhões, segundo cálculas da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) do Brasil.

O projeto de 511 quilômetros unirá as cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Campinas.

Perante vários empresários, altos funcionários governamentais e jornalistas, Ana Pastor destacou a ampla experiência da Espanha em trens de alta velocidade, ao contar com a segunda maior rede do mundo, com quase 3 mil quilômetros, ficando atrás apenas da China.

“É uma referência internacional”, disse a ministra, que lembrou que em abril a primeira linha espanhola de alta velocidade, que uniu as cidades de Madri e Sevilha, completou 21 anos.

A ministra disse que se o consórcio espanhol for o vencedor, haverá uma transferência de tecnologia ao Brasil.

A primeira parte da licitação, que será decidida em setembro, será para a fabricação dos trens, a operação ferroviária e a tecnologia de sinalização, de segurança e controle eletrônicos, disse Julio Gómez-Pomar

“A Renfe está trabalhando a fundo na oferta e no plano de mobilidade que vai apresentar, e trabalhando para formar um consórcio que possa apresentar uma oferta ganhadora”, disse.

Além da Espanha, França, Alemanha, Japão e Coreia do Sul também demonstraram interesse em participar da licitação.