Engenheiro perdido na Amazônia sobreviveu comendo insetos

Engenheiro civil de 65 anos passou 12 dias na floresta amazônica comendo abelhas e moscas

São Paulo – O engenheiro civil Gileno Vieira da Rocha, de 65 anos, passou 12 dias na floresta amazônica comendo insetos, como abelhas e moscas, informaram nesta quinta-feira as autoridades do Amazonas.

A polícia indicou que Vieira da Rocha foi encontrado na terça-feira por um camponês na região de selva do município de Vila de Sucundurí, a 453 quilômetros de Manaus, próximo do estado do Pará.

O delegado da cidade de Apuí, Francisco Rocha, explicou que o engenheiro trabalhava na construção de um ginásio esportivo em Vila de Sucundurí e teve uma discussão com moradores.

Temendo represálias ele saiu do hotel situado na estrada Transamazônica, mas se perdeu na floresta.

O camponês encontrou o engenheiro a cerca de 30 quilômetros do local em que foi visto pela última vez, inconsciente e com feridas infectadas por parasitas.

Rocha explicou que apesar da idade do engenheiro, ele sobreviveu por ser da região amazônica e “por isso tinha algum conhecimento da floresta”.

Após passar um dia internado em um hospital de Apuí, onde os ferimentos foram tratados e onde passou por uma lavagem estomacal por ter ingerido insetos por 12 dias, o engenheiro recebeu alta e se recupera em casa, detalhou o delegado.