Enem já vazou quatro vezes nos últimos 6 anos

Desde 2009, quando o Enem foi reformulado, a prova vazou em quatro momentos, mas só em 2009, o exame foi cancelado. Veja cada caso.

São Paulo – Desde que foi reformulado para ser um vestibular nacional, em 2009, o Enem só ficou livre de polêmicas em dois anos (2012 e 2013). Todas as outras edições, incluindo a deste ano, tiveram vazamentos de provas. 

O problema mais grave ocorreu em 2009, quando o exame foi realizado no novo formato pela primeira vez. Naquele ano, o Enem chegou a ser cancelado.

Nesta quinta-feira, a Polícia Federal confirmou que o tema da redação da edição 2014 também foi vazada. A denúncia partiu de um estudante de Picos (PI), que recebeu a informação por meio de um grupo do WhatsApp. 

Relembre, a seguir, os vazamentos do maior vestibular do país.

2009 –  A prova foi roubada 

Em 2009, dois dias antes da data marcada para a realização do exame, um grupo furtou as provas de dentro da gráfica que fazia a impressão e tentou vendê-las para veículos de comunicação. 

O MEC cancelou a prova e a remarcou para dois meses depois. Com isso, parte das universidades que usariam a nota do Enem em processos de seleção desistiram do método naquele ano.  

Os envolvidos no vazamento foram indiciados. O então presidente do Instittuto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) Reynaldo Fernandes deixou o cargo. 

2010 – O tema da redação vazou

No ano seguinte, o tema de redação vazou horas antes do início da prova. De acordo com a Polícia Federal, uma mulher que seria responsável por aplicar a prova na cidade de Remanso, na Bahia, viu o caderno de redação 2 horas antes e, por meio do marido, avisou o filho, que faria o exame em Petrolina (PE). 

A prova também apresentava problemas de elaboração. Um dos cadernos do exame continha questões repetidas e faltantes, além de cabeçalhos trocados nas folhas de respostas. 

A justiça chegou a pedir a suspensão do exame de 2010. Mas a Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com recurso e a prova foi mantida.

2011 – Estudantes de Fortaleza tiveram acesso à prova

Em 2011, o Colégio Christus, em Fortaleza (CE), teve acesso antecipado a 16 questões do Enem e as utilizou em um material de estudo, que foi entregue aos alunos. 

A investigação feita pela Polícia Federal do Ceará não revelou de onde as questões teriam vazados e como teriam chegado ao colégio. 

Todos os alunos do Colégio Christus tiveram suas provas anuladas e refizeram o Enem. O Ministério Público Federal chegou a pedir a anulação do exame, mas a Justiça não aceitou.

2014 – Tema da redação foi enviado a estudantes do Piauí

Pouco mais de uma hora antes do início do segundo dia de provas do Enem 2014, Jomásio Barros, de 17 anos, divulgou, por meio de sua conta do Facebook, uma tela do WhatsApp com o tema de redação do exame. A postagem  foi feita às 10h47 (11h47 no horário de Brasília). O exame começou às 13h (no horário de Brasília) em todo o país.

A Polícia Federal confirmou o vazamento, mas descartou a possibilidade do exame ter sido furtado da gráfica ou da empresa de transporte. O Inep disse, em nota, que está trabalhando nas investigações e que os candidatos beneficiados pelo vazamento serão punidos.