Curtas – uma seleção do mais importante no Brasil e no mundo

Dezenas de idosos entraram na Coreia do Norte para reunir-se com parentes pela 1ª vez desde que as famílias foram separadas pela Guerra da Coreia

Empate em São Paulo

Os candidatos ao governo do Estado de São Paulo João Doria (PSDB) e Paulo Skaf (MDB) estão empatados tecnicamente, segundo pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada na noite desta segunda-feira: Doria tem 20%, Skaf tem 18%. A margem de erro da pesquisa é de três pontos porcentuais. O atual governador Márcio França (PSB) aparece com 5% das intenções de voto e Luiz Marinho, candidato do PT, com 4%. Na sequência aparecem os candidatos Major Costa e Silva, do DC (3%), Professora Lisete, do PSOL (2%), e, com 1%, Marcelo Cândido (PDT), Prof. Claudio Fernando (PMN), Rodrigo Tavares (PRTB) e Toninho Ferreira (PSTU).

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Fechar a fronteira?

O governo de Roraima entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) solicitando a suspensão temporária da imigração de venezuelanos por meio da fronteira em Pacaraima, no norte do Estado. O pedido reforça a Ação Civil Originária (ACO) 3121, que já pedia o fechamento da fronteira entre Roraima e a Venezuela. No último dia 6, a ministra Rosa Weber, relatora da ação no STF, indeferiu o pedido. Em sua sentença, a ministra apontou que, além de ausência dos pressupostos legais para emissão de liminar, o pedido do governo de Roraima contraria “os fundamentos da Constituição Federal, às leis brasileiras e aos tratados ratificados pelo Brasil”. O novo pedido que será analisado novamente por Rosa Weber, ocorre após uma onda de violência iniciada no fim de semana em Pacaraima, deflagrada depois que o dono de um estabelecimento local foi esfaqueado e espancado supostamente por quatro venezuelanos. Em represália, brasileiros destruíram tendas usadas pelos venezuelanos para acampar na rua perto de um terminal de ônibus e incendiaram os pertences que os imigrantes deixavam para trás. Em resposta aos incidentes, o governo federal decidiu no domingo enviar um reforço de 120 homens da Força Nacional de Segurança a Roraima e determinou a intensificação dos esforços de interiorização de venezuelanos para outros Estados.

Nem pensar

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, general Sergio Etchegoyen, afirmou nesta segunda que governo federal considera “impensável” o fechamento da fronteira entre Brasil e Venezuela. ”O fechamento da fronteira é impensável porque é ilegal. Nós temos que cumprir a lei. A lei brasileira de imigração determina o acolhimento de refugiados e imigrantes nessa situação. Eu não sou jurista, mas para além disso [fechamento de fronteira] é uma solução que não ajuda em nada a questão humanitária”, disse o ministro. Etchegoyen afirmou ainda que cabe ao governo de Roraima avaliar sobre um pedido ao presidente Michel Temer para decretar o emprego das Forças Armadas em ações de segurança pública, por meio de operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO). Na esteira dos conflitos entre brasileiros e venezuelanos, o governo federal enviará ainda hoje uma comitiva de técnicos de nove ministérios às cidades de Pacaraima e Boa Vista. O objetivo é que eles tragam, já nesta terça-feira (21), um relatório com dados atualizados sobre a situação migratória no estado de Roraima.

Onde estão as mulheres

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, disse nesta segunda que “há uma verdadeira sub-representação feminina na política brasileira”. Empossada à presidência da Corte na semana passada, a ministra criticou a baixa representação feminina nos espaços de poder, em contraste com a maioria de mulheres no eleitorado. Ela citou dados do TSE que mostram que apenas 30,7% dos pedidos de registro de candidaturas para estas eleições são de mulheres. “Esses dados (52,5% do eleitorado brasileiro é composto por mulheres) confrontados com o número de pedidos de registro de candidaturas evidenciam a desproporcionalidade entre o número de mulheres candidatas e o de mulheres aptas a votar”, afirmou a ministra. Rosa ainda exaltou a importância do voto feminino para a construção de uma sociedade mais “igualitária, justa e inclusiva”. “Façamos, mulheres, ao exercer todas nós esse direito essencial da cidadania que é o voto, a diferença para um fortalecimento, para o estado democrático de direito, conquista diária e permanente de todos nós, com a consciência de que em nossas mãos, mulheres, está o destino do país”.

Mortes da intervenção

Ao menos cinco pessoas morreram durante uma operação conjunta que as forças de segurança realizam nos Complexos do Alemão, da Maré e da Penha desde a madrugada desta segunda-feira, 20, no Rio de Janeiro. Inicialmente, o Comando Militar do Leste (CML) havia informado que oito pessoas haviam morrido, mas as notícias mais atualizadas mostram um número menor. Um deles é o militar do Exército, identificado como Fabiano Oliveira Santos, morreu baleado durante a operação. Ele é o primeiro militar morto em confronto desde o início da intervenção federal no Rio, há seis meses. Ao todo, mais de 4.200 homens, entre militares das Forças Armadas, policiais militares e civis, atuaram em conjunto, inclusive com a utilização de veículos blindados. Nas redes sociais, moradores da região falavam em intensos tiroteios. Há relatos de que telefones celulares estariam sendo revistados durante a ação.

Privatização liberada

Segundo o jornal Valor Econômico, o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Brito Pereira, suspendeu nesta segunda uma liminar que impedia a privatização de distribuidoras da Eletrobrás, cujo leilão está previsto para 30 de agosto. Pereira acatou pedido da Advocacia Geral da União (AGU) que solicitou a suspensão da decisão do órgão especial do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, do Rio de Janeiro, argumentando que a privatização das distribuidoras visa assegurar a continuidade operacional das companhias e a manutenção dos serviços. O TRT emitiu liminar impedindo a privatização ao determinar a realização de um estudo sobre o impacto do processo nos contratos de trabalho e direitos dos empregados, num processo que envolvia sindicatos da Eletrobras no Piauí, Alagoas, Acre, Rondônia e Amazonas. Para o presidente do TST, a venda da distribuidora e não liquidação da empresa significa manutenção dos contratos de trabalho.

Sem prejuízos

O incêndio que atingiu a refinaria da Petrobras em Paulínia (SP), a Replan, não vai prejudicar o abastecimento de combustíveis no curto prazo. Em entrevista à agência Reuters, o diretor-executivo de Refino e Gás Natural da Petrobras, Jorge Celestino afirmou que o acidente foi “sério”, mas que não há motivos para se preocupar com abastecimento por cerca de 15 dias, porque a empresa pode calibrar estoques e outras refinarias. O coordenador regional do Sindipetro Unificado de São Paulo, Gustavo Marsaioli, também afirmou que os estoques de Paulínia estão elevados e que unidades de refino do estado, como Santos, Mauá e São José dos Campos, operavam com capacidade de cerca de 70% nesta segunda-feira (20). Ainda segundo Celestino, a situação deverá levar uma semana para ser normalizada.

Monitor registra aumento

O Monitor do PIB do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) mostrou que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro avançou 3,3% em junho ante maio. Na comparação com junho do ano passado, a atividade econômica teve elevação de 2,4% no mês de junho deste ano, totalizando 3,467 trilhões reais. No segundo trimestre, o PIB cresceu 0,3% ante o primeiro trimestre de 2018. Na comparação com o segundo trimestre de 2017, a atividade econômica avançou 1,2% no segundo trimestre deste ano. Para Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV, o crescimento positivo do PIB indica que, a despeito dos impactos negativos que a greve dos caminhoneiros ocasionou na economia em maio, esses efeitos foram, em grande parte, revertidos em junho, por conta do crescimento da agropecuária, serviços e consumo das famílias.

Ataque à bandeira, à moeda, à embaixada…

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan afirmou, nesta segunda-feira (20), que um ataque à economia turca não é diferente de um ataque à sua bandeira ou o chamado islâmico à oração. Em discurso pré-gravado para marcar o festival de quatro dias do feriado muçulmano Eid al-Adha, que começa nesta terça-feira, Erdogan disse que o objetivo da crise monetária é “deixar a Turquia e seu povo de joelhos”. Desde o início do ano, a lira turca sofreu uma queda de quase 40% em relação ao dólar, motivada pela crise cambial, e pelo aumento das sanções econômicas impostas pelo governo dos Estados Unidos. Grande parte da tensão entre a Turquia e os EUA foi motivada pela prisão do pastor americano, Andrew Brunson, detido na Turquia em 2016 por acusações de terrorismo. Hoje de manhã, a embaixada dos Estados Unidos em Ancara foi alvo de tiros. Ninguém ficou ferido.

Denúncia contra Venezuela

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, afirmou que planeja denunciar o governo da Venezuela ao Tribunal Penal Internacional (TPI) em Haia pelos supostos crimes contra a humanidade cometidos pelo governo de Nicolás Maduro. Em entrevista à emissora americana CNN, Macri disse que pretende denunciar o governo do presidente socialista “nas próximas semanas” e que tem o apoio de seus colegas da Colômbia, do Chile e do Paraguai. “Para mim não existe dúvida: na Venezuela, os direitos humanos são violados sistematicamente passando-se por cima da oposição e de todos”, afirmou. Milhares de venezuelanos estão fugindo para países vizinhos, o que provocou manifestações anti-imigração no Brasil e levou Equador e Peru a adotarem ações para reforçar suas fronteiras. O escritório de direitos humanos da ONU já enviou um relatório sobre a Venezuela ao TPI, que iniciou um inquérito preliminar sobre possíveis violações em fevereiro. O relatório indica que forças de segurança venezuelanas são suspeitas de matar centenas de manifestantes e supostos criminosos desde 2015.

Reunião de famílias

Dezenas de idosos sul-coreanos entraram nesta segunda na Coreia do Norte para reunir-se com parentes pela primeira vez desde que as famílias foram separadas pela Guerra da Coreia (1950-1953). De segunda-feira a quarta-feira, os participantes passarão 11 horas com os familiares do Norte na localidade turística de Monte Kumgang, sob a supervisão de agentes norte-coreanos. Esta nova série de reuniões de famílias divididas, a primeira em três anos, foi decidida após a retomada dos diálogos entre as duas Coreias, desde o início do ano. O conflito acabou com um armistício, sem a assinatura de um tratado de paz, pelo qual Norte e Sul ainda estão tecnicamente em estado de guerra, e as comunicações civis estão proibidas. Os 89 idosos sul-coreanos e seus companheiros de viagem deixaram a cidade portuária de Sokcho (nordeste da Coreia do Sul) em 14 carros. O comboio seguiu para a Zona Desmilitarizada, acompanhado por uma escolta policial e por vários médicos. Estima-se que 130.000 sul-coreanos se apresentaram como candidatos a essas reuniões.