Em cartão de Natal, Dirceu diz ser “vítima inocente”

Mensagem de fim de ano enviada pelo ex-ministro a parlamentares é intitulada "Desesperar Jamais"

Brasília – O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu enviou um cartão de Natal a amigos, ministros e parlamentares no qual diz ser “vítima inocente” de um julgamento que será “apagado da história”. Condenado a dez anos e dez meses de prisão pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no processo do mensalão, Dirceu escolheu o título “Desesperar Jamais” para a sua mensagem de fim de ano.

“Hoje, sou vítima inocente de um julgamento que, em muito pouco tempo, será citado em livros e em salas de aula como um exemplo a ser apagado da história de nosso Direito”, escreveu Dirceu, que tem percorrido o País para participar de debates sobre o julgamento. Na mensagem, o ex-poderoso ministro do governo Lula também faz referência indireta à pena que terá de cumprir ao lembrar que, quando jovem, foi preso por lutar “pela liberdade” do País.

“E, como antes, não me desespero. Vou continuar lutando para que a verdade vença”, afirmou Dirceu, no cartão com fundo vermelho. O ex-chefe da Casa Civil encerra seus votos de ano novo em tom resignado: “Que você tenha forças para vencer. Para superar obstáculos e viver um 2013 com muita felicidade.”

O senador Jorge Viana (PT-AC) compartilhou o cartão em sua página no Facebook e viu a polêmica se instalar, com protestos de alguns seguidores. “Zé Dirceu foi dose mata leão! Mas, como estamos em clima natalino, oremos por ele, Senhor”, postou Bê Sarkis. O internauta Gilvandro Assis defendeu o ex-ministro e criticou a imprensa. “Admirável José Dirceu, na luta pela democracia no Brasil! E impressiona o linchamento moral que a mídia nacional está promovendo contra ele”, comentou. “Gilvandro, não menospreze a inteligência do povo brasileiro, tampouco nos chame de idiota”, retrucou Joelma Costa Dantas. “Ah, mundo bom de acabar!”, emendou ela, em outro post.

Para Viana, Dirceu foi “sincero e corajoso” ao enviar o cartão com essa mensagem de fim de ano. “Esse clima de enfrentamento é péssimo para o País”, argumentou o senador. “Precisamos virar a página.”