Em 2034, cada mulher brasileira terá apenas 1,5 filho

Há décadas em declínio, a taxa de fecundidade brasileira deve atingir mínimo de 1,5 filho por mulher em 2034, nível próximo a países europeus hoje, segundo previsão do IBGE

São Paulo – Há 20 anos, cada mulher brasileira tinha, em média, 2,9 filhos ao longo de sua vida. Em 2034, esse número será de apenas 1,5 filho, e vai ficar estacionado por quase três décadas. A projeção é do estudo Projeção da População do Brasil por sexo e idade para o período 2000/2060, divulgado nesta quinta-feira pelo IBGE (veja tabela abaixo).

O nível que será atingido em menos de duas décadas é próximo ao encontrado hoje na maioria dos países ricos europeus.

A consequência mais visível dessa queda será a diminuição do ritmo de crescimento da população do Brasil.

Segundo o IBGE, desde a década de 1970 a taxa de fecundidade brasileira – o nome oficial para a média de filhos que cada mulher tem ao longo da vida – não para de cair.

Em 1970, cada mulher tinha, em média, 5,8 filhos. Em 2013, esse número caiu para 1,77. 

E vai continuar nesse processo. O estudo projeta que em 2020, a taxa cairá para 1,61, chegando a 1,5 criança por mulher em 2034, quando se estabilizará por quase 30 anos, ao menos.

Em alguns estados, no entanto, a taxa de fecundidade vai cair ainda mais (veja na tabela ao final), principalmente no Sul e Sudeste, que devem registrar apenas 1,45 filho por mulher, em média. 

O declínio segue uma tendência mundial. Em países mais desenvolvidos, como a Alemanha, a taxa já é de cerca de 1,4.

A taxa de reposição populacional, isto é, o número que filhos que uma mulher deve ter para que a população total de um país não diminua nem aumente, é de 2,1: duas crianças substituem os pais e a fração 0,1 é necessária para compensar os indivíduos que morrem antes de atingir a idade reprodutiva. 

Filhos por mulher no Brasil (estimado, 2010-2060)

Anos Taxa de Fecundidade Anos Taxa de Fecundidade
2010 1,87 2036 1,5
2011 1,83 2037 1,5
2012 1,8 2038 1,5
2013 1,77 2039 1,5
2014 1,74 2040 1,5
2015 1,72 2041 1,5
2016 1,69 2042 1,5
2017 1,67 2043 1,5
2018 1,65 2044 1,5
2019 1,63 2045 1,5
2020 1,61 2046 1,5
2021 1,6 2047 1,5
2022 1,58 2048 1,5
2023 1,57 2049 1,5
2024 1,56 2050 1,5
2025 1,55 2051 1,5
2026 1,54 2052 1,5
2027 1,53 2053 1,5
2028 1,52 2054 1,5
2029 1,51 2055 1,5
2030 1,51 2056 1,5
2031 1,51 2057 1,5
2032 151 2058 1,5
2033 1,51 2059 1,5
2034 1,5 2060 1,5
2035 1,5    

Filhos por mulher por estado (estimado, 2010-2030)

Estados 2010 2020 2030
Rondônia 1,96 1,65 1,55
Acre 2,81 2,15 1,75
Amazonas 2,59 1,99 1,65
Roraima 2,58 1,93 1,65
Pará 2,38 1,89 1,65
Amapá 2,69 1,98 1,70
Tocantins 2,18 1,77 1,60
Maranhão 2,47 1,93 1,65
Piauí 1,97 1,65 1,55
Ceará 1,96 1,64 1,55
Rio Grande do Norte 1,91 1,64 1,55
Paraíba 1,97 1,67 1,55
Pernambuco 1,94 1,66 1,55
Alagoas 2,22 1,77 1,60
Sergipe 1,97 1,64 1,55
Bahia 1,89 1,64 1,55
Minas Gerais 1,72 1,52 1,45
Espírito Santo 1,75 1,54 1,45
Rio de Janeiro 1,68 1,52 1,45
São Paulo 1,70 1,52 1,45
Paraná 1,76 1,54 1,45
Santa Catarina 1,65 1,50 1,45
Rio Grande do Sul 1,67 1,50 1,45
Mato Grosso do Sul 2,02 1,73 1,55
Mato Grosso 2,01 1,72 1,55
Goiás 1,74 1,53 1,45
Distrito Federal 1,65 1,50 1,45
BRASIL 1,87 1,61 1,51