É indispensável retomar dinamismo da economia, diz Dilma

A dirigente também mostrou preocupação com a propagação do Ebola e ainda criticou o acirramento de conflitos armados

Nova York – A presidente Dilma Rousseff afirmou em seu discurso nas Nações Unidas nesta quarta-feira que é “indispensável e urgente” retomar o dinamismo da economia global.

A dirigente também mostrou preocupação com a propagação do Ebola e ainda criticou o acirramento de conflitos armados, sobretudo no Oriente Médio. “A cada intervenção militar não caminhamos para a paz, mas assistimos ao acirramento destes conflitos.”

Dilma destacou que a economia global deve funcionar como “instrumento de indução do investimento, do comércio internacional e da desigualdade entre os países”.

Ela destacou que ainda persistem, em todas as partes do mundo, consideráveis dificuldades econômicas, que impactam negativamente o crescimento econômico de diversos países.

Ao falar do comércio, Dilma pediu a conclusão da rodada Doha de negociações internacionais. A dirigente também ressaltou a importância de países em desenvolvimento terem mais poder de voz em organismos internacionais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial.

“O risco que estas instituições correm é perder a legitimidade e eficiência”, disse a presidente ao fazer o discurso de abertura da 69ª Assembleia-Geral das Nações Unidas nesta quarta-feira, pedindo mais poder de votos nestas instituições para países como o Brasil.

Dilma afirmou que “a atual geração de líderes internacionais” tem sido chamada a enfrentar importantes desafios. “Não temos sido capazes de resolver velhos contenciosos nem de impedir novas ameaças”, disse.

“O uso da força é incapaz de eliminar a causa profunda dos conflitos”, declarou Dilma, citando a persistência da situação tensa na Palestina, o “massacre sistemático do povo sírio”, os embates na Ucrânia, no Iraque e os conflitos no Sahel.

“Verifica-se uma trágica multiplicação do número de vítimas civis e de dramas humanitários”, afirmou. “Não podemos aceitar que essas manifestações de barbárie recrudesçam, ferindo nossos valores éticos, morais e civilizatórios”, disse Dilma, ressaltando logo em seguida e os dirigentes globais não podem ficar indiferentes ao problema do Ebola.

Dilma afirmou que o Brasil apoia a iniciativa da ONU de ter uma missão emergencial para combater a doença.

Diante da proliferação de conflitos pelo mundo, Dilma ressaltou que o conselho de segurança da ONU tem encontrado dificuldade em promover a “solução pacífica” das crises e falou da necessidade de uma reforma na instituição, que se “arrasta por anos”.

Os 70 anos que a ONU completa em 2015, disse Dilma, é o momento ideal para que se avance na reforma do conselho. “Um conselho mais representativo e mais legítimo poderá também ser mais eficaz”, disse Dilma.

Ainda sobre a situação no Oriente Médio, Dilma disse que o Brasil não pode ficar indiferente e condena o uso desproporcional da força na faixa de Gaza, que provocou vítimas na população civil, sobretudo em mulheres e crianças.

“Este conflito deve ser solucionado e não precariamente administrado, como vem sendo”, afirmou a presidente, ressaltando a necessidade de ter dois Estados, Palestina e Israel, com fronteiras internacionalmente reconhecidas e convivendo em harmonia.

Ao terminar de falar de questões externas, Dilma destacou que a América Latina tem buscado resolver um de seus principais problemas, a desigualdade social.

Internet

Dilma ressaltou na parte final de seu discurso para a necessidade de se proteger os direitos humanos, no mundo real e virtual. “O Brasil e a Alemanha provocaram essa importante discussão em 2013 e queremos aprofundá-la nesta sessão. Ela falou da criação do marco civil da internet no Brasil e afirmou notar que a comunidade internacional tem se mobilizado para aprimorar a governança na internet. “O ano de 2015 desponta como um verdadeiro ponto de inflexão”, disse Dilma ao finalizar seu discurso.