“É impossível não sentir vergonha pelo Brasil”, diz Barroso

Ministro do STF falou sobre valores éticos no mundo contemporâneo no fórum “A Revolução do Novo”, realizado por VEJA e EXAME em parceria com a Coca-Cola

São Paulo – O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta segunda-feira que “é impossível não sentir vergonha pelo que acontece no Brasil”. O ministro palestrou no terceiro encontro do fórum A Revolução do Novo – A Transformação do Mundo, realizado por VEJA e EXAME em parceria com a Coca-Cola, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.

O evento discute mudanças na economia, política, tecnologia e sociedade. Barroso abordou o tema “o impacto, a evolução e o futuro dos valores éticos no mundo contemporâneo”.

Para o ministro, o país está devastado e com autoestima baixa, diante da corrupção institucionalizada. “Ela se tornou um modo de vida. As pessoas se surpreendem com o que, de certa forma, sempre souberam”, disse.

Segundo Barroso, é preciso mudar a cultura em que os espertos valem mais que os honestos. “Sempre foi assim, mas é preciso deixar de ser. O custo moral e econômico pelo qual estamos passando tem que significar um novo começo”, afirmou.

O ministro acrescentou que não dá para descartar o risco da Operação Lava Jato não contribuir para o fim da corrupção institucionalizada, mas que “todos estão aqui para evitá-lo”. Também defendeu as reformas política, previdenciária e tributária como saídas essenciais para o país.

Com uma visão otimista, Barroso lembrou que há realizações importantes para celebrar em 30 anos de democracia no Brasil, como a derrota da ditadura, da inflação e da pobreza extrema no país. Do ponto de vista econômico, destacou que, no Brasil, ainda há uma grande desconfiança em relação à livre iniciativa do capitalismo. “Vivemos em um socialismo com sinal trocado”, disse.

O ministro destacou que não é só o Brasil que vive um momento de desprestígio da democracia representativa, mas o mundo também. Barroso também lembrou que a revolução digital preservou valores como a liberdade, mas colocou em cheque questões como a privacidade e a veracidade das informações.

Para o ministro, o empoderamento feminino e a proteção dos direitos humanos são discussões chave do mundo contemporâneo. “A história avança para o bem. A busca da felicidade, o respeito ao próximo e a justiça são os valores de ontem e continuam a ser os valores do futuro”, afirmou.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. O que me envergonha não é essa situação agora revelada, todos sabiam, o que realmente me envergonha são as pessoas que ainda tem coragem de votar e apoiar esses corruptos; isso é decepcionante. Essa velha guarda sempre lembra da ditadura para justificar essas atrocidades, aliás é bom que se digo, os militares são hoje, a única instituição que obedece a constituição, os demais poderes , costumam vez por outra, rasga-la.

  2. Brasileiro não respeita fila, quer burlar imposto, quer ficar rico sem estudar, cola em prova, procura vantagem em tudo e quer cobrar honestidade de autoridade… A corrupção, além de sistêmica, é cultural.

  3. Marcos Antonio

    Como se ele e a instituição (que nos dizeres de Dilma estão funcionando) não tivessem uma boa parcela de culpa!

  4. Paka Kaska Jr.

    SOMOS VIRA-LATAS…!!!!! este é o nosso pedigree…. habitamos a América Latrina, onde não existe povo…!!! quando muito há uma população apática, idiotizada, que se deixa manipular pelo “maravilhoso comunismo”. Regime imundo, que cria muros para que as pessoas não fujam dele…!!! O comunismo gosta tanto de pobres, que os multiplicam..!!! Assim agem os 35 partidos políticos que mandam na republiqueta das bananas podres…!!