Doria mantém na iluminação empresa declarada inidônea pela União

CGU proibiu a Alumi Engenharia de fazer contratos com entes públicos; prefeitura diz que não pode romper contrato porque decisão tem apenas efeito futuro

São Paulo – A gestão João Doria Jr. (PSDB) vai manter na iluminação pública de São Paulo uma empresa que foi declarada anteontem inidônea pela Controladoria-Geral da União por suposto envolvimento em irregularidades investigadas na Operação Lava Jato.

A empresa Alumini Engenharia S/A foi proibida pela CGU de licitar e firmar novos contratos com órgãos e entidades governamentais por pelo menos dois anos. O despacho publicado ontem pelo Ministério da Transparência afirma que a Alumini recebeu a sanção “por ter efetuado pagamento de propina a agentes públicos da Petrobras S/A com finalidades ilícitas, tais como exercer influência indevida sobre esses agentes e deles receber tratamento diferenciado”.

Em nota enviada por e-mail neste sábado, dia 4, a prefeitura de São Paulo afirmou que não pode romper o contrato com a empresa porque “declarações de inidoneidade têm efeito apenas para o futuro, não retroagindo a contratos firmados anteriormente à decisão”. “Não caberia nem ao prefeito João Doria nem a seu secretariado qualquer decisão acerca da manutenção da empresa Alumini Engenharia no consórcio SP Luz”, afirmou a gestão João Doria.

Em São Paulo, a empresa é responsável por 40% da iluminação pública da capital enquanto a empresa FM Rodrigues é responsável pelos outros 60%. Ambas formam o consórcio SP Luz, contratado para fazer a manutenção de 580 mil pontos de luz na cidade.

Em nota enviada na  sexta (3), a secretaria municipal de serviços e obras afirmou que “os serviços de manutenção de iluminação pública continuarão sendo realizados normalmente pelo consórcio contratado para execução dos trabalhos na cidade de São Paulo”.

Em nota, a Alumini Engenharia afirmou que “considera totalmente arbitrária e descabida a decisão da Controladoria Geral da União tomada esta semana” e que vai entrar como uma ação contra essa decisão na Justiça Federal.

Com relação à participação no consórcio SP Luz, a empresa disse que “tudo permanece como está, uma vez que se trata de contrato em vigor e, por esta razão, não há qualquer motivo para sua interrupção ou saída da empresa do referido consórcio”.

*Atualizado às 12h53 do dia 4 de março, com novo posicionamento da Prefeitura de São Paulo

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Junior Eduardo

    Infelizmente tem gente que ainda apoia o lula que também é investigado na lava jato.

  2. Fernando Nakamura de Oliveira

    Matéria tendenciosa , vergonhoso fazer uma chamada assim. Contrato é contrato ! Como assinante estou decepcionado com a queda do nível das matérias online .

  3. Anderson Silva

    EXCLUSIVO!!! Matéria tendenciosa!
    Não foi proibido de manter e sim de firmar novos contratos.
    “foi proibida pela CGU de licitar e firmar novos contratos com órgãos e entidades governamentais”

  4. Rubens Pires

    Claro, super simples a manutenção elétrica dessa cidadezinha chamada São Paulo…rompe o contrato e chama o quebra-galho. A prefeitura mandou uma nota com apenas essas 3 linhas msm? Sei não… Enquanto isso reportam aqui q lula ganharia um 1º turno, mas omitiram que na mesma pesquisa ele tb foi campeão de rejeição absoluta (os q jamais votariam) de quase 50%! Por causa dessas e outras o povo confia mais na mídia alternativa, tipo o antagonista.

  5. Pedro Evandro Montini

    EXAME e Carta Capital cada vez mais parecidas.

  6. Walter Luiz Batista Alves

    Lamentável ver na EXAME uma manchete tão tendenciosa. Estão se nivelando por baixo. É de se questionar a idoneidade do produtores de seu conteúdo. A noticia, muito importante por sinal, poderia ter sido veiculada de outra forma. Depois não reclamem de perderem audiência.

  7. Rubens Pires

    Depois de uma paulada nos comentários, mudaram a manchete colocando a justificativa da prefeitura. É td bem por aí…”O preço da liberdade é a eterna vigilância”.

  8. Elizabete Silva

    O problema de tudo isso é que acaba atingido os funcionários dá empresa de iluminação , familiares estão passando nesecidade devido o bloqueio de pagamento aos funcionários já de uns dias funcionários estão indo trabalhar sem receber ou qualquer tipo de benefício etc.

  9. O título da matéria deveria ter sido “Legislação impede prefeitura de cancelar contrato com empresa inidônea”

  10. Alexandre Alves

    Infelizmente as coisas estão saindo de maneira errada. Quem está sendo punido são na verdade os trabalhadores que acabam ficando sem receber seu salário