Dilma e Obama devem conversar “formal ou informalmente”

Segundo Michel Temer, presidente "muito provavelmente" conversará sobre as denúncias de espionagem durante encontro do G20

Brasília – A presidente Dilma Rousseff “muito provavelmente” conversará sobre as denúncias de espionagem com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, durante o encontro dos países do G20 na Rússia, disse nesta quinta-feira o presidente em exercício, Michel Temer.

Segundo Temer, há “gestões” no sentido de promover a conversa entre os dois chefes de Estado, poucos dias após as denúncias de que agência de inteligência norte-americana teria espionado emails, telefonemas e mensagens de texto da presidente Dilma.

“As notícias que eu tenho tido é que muito provavelmente conversem lá na reunião do G20”, afirmou Temer a jornalistas.

“Eles estão juntos lá no G20, formal ou informalmente eu creio que conversarão.” Mais cedo, o Planalto informou o cancelamento da viagem de uma equipe que embarcaria no sábado para os Estados Unidos para preparar a visita da presidente ao país.

O Planalto não informou se está cancelada a ida de Dilma a Washington, prevista para o mês que vem.

Questionado sobre a possibilidade, Temer afirmou que a presidente “não manifestou esse desejo (de cancelar a viagem aos EUA)”.

“Os meios diplomáticos resolverão essa questão e a presidenta saberá, no momento próprio, se deve ir a Washington ou não”, disse ele.

Uma reportagem do programa “Fantástico”, da TV Globo, divulgou no domingo que a Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês) espionou emails, telefonemas e mensagens de texto de Dilma. A denúncia baseou-se em documentos vazados pelo ex-prestador de serviços da NSA Edward Snowden.