Dilma diz ao PT que ajuste permite governabilidade

A presidente justificou a escolha dos nomes da equipe econômica à governabilidade

Fortaleza – Em meio a críticas do PT e de movimentos sociais pela escolha de Joaquim Levy para o Ministério da Fazenda, a presidente Dilma Rousseff associou na noite de sexta-feira (28) a guinada ortodoxa com escolha dos nomes da equipe econômica à governabilidade.

Ao mesmo tempo, fez um apelo à “maturidade” dos petistas, que reclamam do fato de ela ter sido reeleita com um discurso – contra o corte de gastos – e agora sinalizar com uma prática oposta.

“Nós temos que tomar as medidas necessárias, sem rupturas, sem choques, de maneira gradual e eficiente como vem sendo feito. Temos que estar unidos. Eu preciso do protagonismo de todos vocês e neste protagonismo destaco o PT. O PT tem maturidade e hoje, depois de todo esse período, sabe que precisamos ter legitimidade e governabilidade”, afirmou a presidente, em seu primeiro encontro com a cúpula do partido depois da reeleição.

Dilma comemorou o fato de o País terminar o ano dentro do topo da meta de 6,5% de inflação, mas disse que não está satisfeita e que medidas devem ser tomadas. Por isso, ela desafiou o partido a renovar suas perspectivas diante das demandas econômicas.

“A conjuntura muda, a situação do País muda, as condições da economia mudam. Nós nos adaptamos às novas demandas e damos respostas a cada uma delas. Acho que esta é a grande missão do PT”, disse ela.

Por outro lado, a presidente fez afagos ao PT, garantindo que a condução ortodoxa da economia não vai afetar a essência do programa do partido.

“Uma coisa deve ficar clara e ninguém deve se enganar sobre isso. Fui eleita por forças progressistas, não para qualquer processo equivocado, mas para continuar mudando o Brasil.”

Bem humorada, Dilma lembrou que, embora tenha sido eleita pelo PT, lidera uma coalizão de partidos e tem a obrigação de governar para todo o conjunto da população.

“O governo não é um governo meu, no sentido que ele é só meu e eu guardo abraçadinha nele. O governo é do PT e dos partidos da nossa aliança porque nós fizemos uma aliança e dos movimentos sociais. Mas também o governo é dos que votaram em mim e dos que não votaram.”

Falando para o partido, Dilma voltou a defender a reforma política, uma das prioridades da agenda petista, desta vez de forma mais objetiva.

‘Coisa feita’

Os dirigentes petistas consideram “coisa feita” a nomeação de Levy, economista que é discípulo de Arminio Fraga, ex-presidente do Banco Central e conselheiro da campanha de Aécio Neves (PSDB) fortemente atacado por Dilma durante a campanha eleitoral em razão de suas ideias ortodoxas.

Embora contrariadas, as principais correntes do partido não devem tornar públicas críticas às escolhas da presidente.

Em troca, o partido vai pedir mais empenho do governo em questões caras à base petista, como o marco regulatório dos meios de comunicação, a revisão do fator previdenciário, reforma fiscal, questões trabalhistas e indígena. O PT também deve cobrar espaço mais qualificado no ministério.

A legenda já dá como certo que terá um número menor de ministérios no segundo mandato de Dilma.

Conforme um importante dirigente petista, isso deve ser compensado com a indicação de “líderes capazes de fazer a disputa política nas suas áreas”. Ou seja, o PT quer um ministério mais político e menos burocrático e hermético do que o do primeiro mandato.

Precedente

Embora os nomes de Levy e de Kátia Abreu – senadora do PMDB e ruralista escolhida para o Ministério da Agricultura – não agradem a setores do PT, eles dizem que “o que vai prevalecer” é o programa de governo do partido.

Para driblar as críticas, os dirigentes fazem uma comparação com o primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva, quando Henrique Meirelles – na época um banqueiro filiado ao PSDB – foi escolhido para o Banco Central, o “petista conservador” Antonio Palocci para a Fazenda e Roberto Rodrigues, representante do agronegócio, para a Agricultura. (As informações são do jornal O Estado de S. Paulo)