Dilma defende na CNN “renovação” do futebol brasileiro

"O Brasil não pode mais continuar exportando jogador. Exportar jogador significa não ter a maior atração para os estádios ficarem cheios", ressaltou presidente

Washington – Em entrevista apresentada nesta quinta-feira pela CNN, a presidente Dilma Rousseff defendeu uma “renovação” no futebol brasileiro que interrompa a exportação de bons jogadores do país e sirva como um elemento de atração de espectadores aos estádios, especialmente os que foram construídos para a Copa do Mundo.

“O Brasil não pode mais continuar exportando jogador. Exportar jogador significa não ter a maior atração para os estádios ficarem cheios”, ressaltou.

“Qual é a maior atração que um país que ama o futebol como o nosso tem para ir num jogo de futebol? Ver os craques. Tem craques no Brasil que estão fora do país há muito tempo.”

Segundo ela, um país com a paixão pelo futebol como a do Brasil “tem todo o direito de ter seus jogadores aqui e não tê-los exportados”.

A defesa da renovação do futebol foi feita em resposta a uma pergunta sobre os elevados gastos com a Copa do Mundo – US$ 14 bilhões comparados a US$ 4 bilhões usados na África do Sul em 2010.

A presidente afirmou que os estádios consumiram apenas US$ 4 bilhões do total e comparou o valor aos US$ 850 bilhões gastos pelas três esferas do governo com saúde e educação entre 2010 e 2013.

O restante dos recursos foram aplicados em obras que eram necessárias, como aeroportos, sustentou a presidente. Dilma reconheceu que a Alemanha “jogou muito bem” na partida em que derrotou o Brasil por 7 a 1, na terça, e que felicita a primeira-ministra Angela Merkel pela vitória.

“Quando você perde, você tem de cumprimentar o adversário. Não é uma guerra, é um jogo, e é por isso que o futebol encanta”, observou.

“Então eu vou cumprimentar a Angela Merkel e dizer para a chanceler que o time dela jogou muito bem. E que ela esteja de parabéns.”