Descoberta de razões do surto de zika pode levar anos

As respostas podem demorar anos para chegar e dependerão da observação da evolução da doença e da realização de testes em animais suscetíveis ao zika

Galveston – Há muitas coisas que os cientistas não sabem sobre o vírus zika e uma das mais intrigantes é o que fez um organismo que parecia inofensivo passar a infectar centenas de milhares.

Também não está claro o que provocou a associação com a microcefalia e a síndrome de Guillain-Barré.

As respostas podem demorar anos para chegar e dependerão da observação da evolução da doença e da realização de testes em animais suscetíveis ao zika.

Scott Weaver, diretor do Instituto de Infecções Humanas e Imunidade da Faculdade de Medicina da Universidade do Texas (UTMB, na sigla em inglês), disse que há três hipóteses para explicar a maior agressividade do zika: 1) o vírus teve uma mutação, provavelmente no Sudeste asiático; 2) o vírus se tornou mais eficiente e passou a gerar níveis mais elevados de contaminação; e 3) não houve mudanças, mas a doença passou a ser notada ao se mover para regiões fora da África – antes se confundia com uma série de endemias, como dengue, chikungunya e febre amarela.

Nas Américas, o zika encontrou uma população “ingênua”, sem anticorpos para se defender, o que facilitou sua propagação, ressaltou Weaver.

Segundo ele, uma eventual mutação pode ter aumentado a capacidade do vírus de infectar os mosquitos Aedes aegypti.

“Nós sabemos que isso aconteceu com chikungunya. De 2005 a 2009, houve várias mutações que aumentaram a eficácia do vírus contra o Aedes albopictus.”

Weaver acredita que há indicações sólidas da relação entre zika, microcefalia e síndrome de Guillain-Barré. “A coincidência é muito forte.”

Mas ainda não está claro se outros fatores influenciam. “Provavelmente teremos respostas dentro de anos. Não é simples testá-las.”