Delegados pedem nas ruas apoio a autonomia da PF

Os delegados observam que, na condição de autoridades do Estado, estão impedidos de tomarem posição com relação a movimentos políticos

São Paulo – Durante as manifestações pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff realizadas neste domingo, 13, na Avenida Paulista, delegados de Polícia Federal leram carta endereçada aos movimentos sociais em que pedem apoio à autonomia da instituição – prevista na proposta de emenda à Constituição (PEC) 412 em curso no Congresso.

Os delegados observam que, na condição de autoridades do Estado, estão impedidos de tomarem posição com relação a “movimentos políticos de qualquer natureza para garantia de sua isenção, independência e imparcialidade na condução das investigações criminais”.

Mas reconhecem a importância e o peso das ruas nesse instante crucial para a corporação.

“Percebemos que a bandeira da autonomia da Polícia Federal está sendo levantada por diversos movimentos sociais, das mais variadas matizes, em diversos pontos do território nacional. Sem entrar no mérito dos pedidos de cada movimento, seja contrário ou a favor de determinada ação política, gostaríamos de agradecer a todos que compreenderam a importância do Brasil ter uma Polícia Federal forte, republicana, independente do controle político e plenamente autônoma para gerir suas atividades e unidades em todo o país”, diz trecho da carta lida pelo delegado Edson Garutti, diretor regional da Associação dos Delegados da PF em São Paulo.

Os delegados informam que estão acompanhando com atenção os movimentos sociais que saem às ruas para defender suas reivindicações. Eles destacam que estão sendo procurados por diversos desses movimentos que os convidam e solicitam sua efetiva participação.

Os delegados ressaltam que não podem se engajar às ruas. “Infelizmente hoje a PF não possui autonomia orçamentária, administrativa nem funcional prevista na Constituição.

No momento que ouvimos vozes defendendo o encolhimento e, até mesmo, o desmantelamento da Polícia Federal, nos conforta saber que o povo brasileiro está atento e não deixará que uma das mais respeitadas e admiradas instituições brasileiras sofra qualquer tipo de ameaça exatamente por cumprir a sua missão: defender a sociedade e o Estado brasileiro.”