Delação premiada vira inspiração para folk

Batizada de “Suíte Bourbon 1407”, a música é de autoria do compositor baiano Maurício Baia e faz uma crítica à forma como os acordos são fechados

São Paulo – Usada mais intensamente na Operação Lava Jato, maior investigação sobre corrupção no Brasil, a delação premiada agora é tema de um folk. 

Batizada de Suíte Bourbon 1407, – uma referência ao hotel onde se hospedam os advogados dos presos na operação – a música é de autoria do compositor baiano Maurício Baia e faz uma crítica explícita à forma como os acordos são fechados. 

O inquisidor pergunta ao preso/ Se ele quer sair ileso/ E lhe empurra um acordo/ Que endurece os seus dez dedos / E assim de forma acuada o réu assina a delação premiada/ Que aplaudida ou vaiada/ Quebra o fecho e vaza/ O baú dos segredos, diz os primeiros versos da canção. 

Não se sabe se isso é justiça mesmo ou uma imposição. Moro virou um herói para as pessoas, mas é importante levantar algumas questões, disse Baia a EXAME.com.

Delação

O instituto da delação premiada já foi alvo de embates jurídicos e recebeu críticas, até mesmo, da presidente Dilma Rousseff, que, no ano passado, chegou a declarar que não respeitava delatores

Alguns juristas dizem que o instrumento é antiético por envolver uma espécie de barganha – o acusado repassa informações e provas em troca de algum tipo de benefício, como a redução de sua pena.

Por outro lado, há quem defenda o mecanismo por ser uma maneira de chegar ao alto escalão de esquemas complexos como o montado na Petrobras. Só na Lava Jato, ao menos cinquenta delações foram fechadas ou estão em processo de homologação. 

O próximo personagem que pode fechar um acordo desse tipo é Marcos Valério Fernandes de Souza, condenado a 37 anos de prisão no mensalão. De acordo com o advogado de Valério, o empresário poderá revelar um elo entre os dois escândalos de corrupção.