Defesa de Lula diz que ações estão corrompidas e cita “atuação combinada”

Neste domingo, o site The Intercept revelou que Sérgio Moro combinou com Deltan Dallagnol estratégias de investigação para implicar crimes ao ex-presidente

São Paulo — A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva divulgou um comunicado na noite deste domingo (09) afirmando que diversas vezes defendeu que houve uma “atuação combinada” entre os procuradores do Ministério Público Federal e o atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, para “condenar e retirar a liberdade” do petista.

Em nota, os advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins dizem que as reportagens publicadas pelo site Intercept, revelando uma série de mensagens entre Moro e Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba, confirma “todas as peças que subscrevemos na condição de advogados de Lula a partir dos elementos que coletamos nos inquéritos, nos processos e na conduta extraprocessual dos procuradores da Lava Jato e do ex-juiz Sergio Moro”.

No texto, os advogados também destacam urgência em reconhecer que o ex-presidente não praticou qualquer crime e é “vítima de manipulação das leis e dos procedimentos jurídicos para fins de perseguição política”. Segundo a defesa, as matérias revelam “detalhes de uma trama na Lava Jato, entre os procuradores e o ex-juiz Sérgio Moro”, com o “objetivo pré-estabelecido e clara motivação política, de condenar o petista”.

Lula está preso na sede da superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde 7 de abril de 2018 por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP).

Os advogados do ex-presidente apresentaram recursos contra a sentença da Quinta Turma do STJ, que reduziu a pena do petista em abril, pedindo a eventual progressão de Lula para o regime aberto.

Veja também

O Ministério Público Federal encaminhou pareceres à Corte indicando que o ex-presidente já poderia progredir para o semiaberto, saindo da prisão para trabalhar durante o dia e retornando à noite.

Ministros do Superior Tribunal de Justiça ouvidos reservadamente acreditam que o tribunal deve rejeitar o pedido do ex-presidente. Para os magistrados, o tema deve ser tratado antes em primeira instância, pela Vara de Execuções Penais, em Curitiba.

A Associação Juízes para a democracia (AJD) e a Associação Latino-americana de Juízes do Trabalho (ALJT) divulgaram nota “exigindo a imediata soltura do ex-presidente e de todas as vítimas do processo ilícito relevado pelos diálogos” revelados pelo The Intercept. As entidades pedem ainda a exoneração do Ministro Sérgio Moro e investigação dos integrantes do Ministério Público Federal mencionados na reportagem.

Segundo as associações, os atos são “essenciais para a retomada do Estado Democrático de Direito” no País e “superação da crise político-institucional em curso e o retorno à normalidade democrática”.

Leia a nota na íntegra:

“A atuação ajustada dos procuradores e do ex-juiz da causa, com objetivos políticos, sujeitou Lula e sua família às mais diversas arbitrariedades. A esse cenário devem ser somadas diversas outras grosseiras ilegalidades, como a interceptação do principal ramal do nosso escritório de advocacia para que fosse acompanhada em tempo real a estratégia da defesa de Lula, além da prática de outros atos de intimidação e com o claro objetivo de inviabilizar a defesa do ex-Presidente.

Em diversos recursos e em comunicado formalizado perante o Comitê de Direitos Humanos da ONU em julho de 2016 demonstramos, com inúmeras provas, que na Operação Lava Jato houve uma atuação combinada entre os procuradores e o ex-juiz Sérgio Moro com o objetivo pré-estabelecido e com clara motivação política, de processar, condenar e retirar a liberdade do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A reportagem publicada hoje (09/06/2019) pelo portal “The Intercept” revela detalhes dessa trama que foi afirmada em todas as peças que subscrevemos na condição de advogados de Lula a partir dos elementos que coletamos nos inquéritos, nos processos e na conduta extraprocessual dos procuradores da Lava Jato e do ex-juiz Sergio Moro.

A atuação ajustada dos procuradores e do ex-juiz da causa, com objetivos políticos, sujeitou Lula e sua família às mais diversas arbitrariedades. A esse cenário devem ser somadas diversas outras grosseiras ilegalidades, como a interceptação do principal ramal do nosso escritório de advocacia para que fosse acompanhada em tempo real a estratégia da defesa de Lula, além da prática de outros atos de intimidação e com o claro objetivo de inviabilizar a defesa do ex-Presidente.

Ninguém pode ter dúvida de que os processos contra o ex-Presidente Lula estão corrompidos pelo que há de mais grave em termos de violações a garantias fundamentais e à negativa de direitos. O restabelecimento da liberdade plena de Lula é urgente, assim como o reconhecimento mais pleno e cabal de que ele não praticou qualquer crime e que é vítima de “lawfare”, que é a manipulação das leis e dos procedimentos jurídicos para fins de perseguição política.

Cristiano Zanin Martins
Valeska Teixeira Martins”