Dallagnol quer indenização por danos morais após ofensas de Gilmar Mendes

Procurador da Lava Jato entrou com ação em que pede R$ 59 mil da União por declarações do ministro do STF

São Paulo — O procurador Deltan Dallagnol entrou na Justiça com uma ação contra a União sob o argumento de que tem sido alvo de ofensas de Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). No documento, Dallagnol quer R$ 59 mil de indenização por danos morais.

No documento, o procurador cita diversas declarações do ministro consideradas ofensivas. Na peça do último dia 2 de dezembro, mas que só foi divulgada na noite desta terça-feira, os advogados do procurador citam entrevistas concedidas por Gilmar.

Numa delas, à rádio Gaúcha em agosto, o ministro se referiu aos diálogos vazados de procuradores num aplicativo de mensagens como “conversa de criminosos”. As conversas foram publicadas pelo site The Intercept. Na peça, também há referência a uma outra declaração em que o ministro se referiu à força-tarefa da Lava-Jato do Paraná como uma “organização criminosa”.

Dallagnol também considerou que foi ofendido durante sessões do STF. Num dos casos, o procurador diz que o ministro “não mede as palavras” ao acusar os membros da força-tarefa de “cretinos”,

Recentemente, Dallagnol foi punido com uma advertência pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

No documento, o procurador lembra que tem mestrado pela universidade de Harvard e acumulou “inúmeras demonstrações de reconhecimento” o que sempre rendeu a ele, seus colegas, amigos, família e a todos os brasileiros que acompanham seu trabalho, justificado orgulho.