Cúpula do PSDB espera absolvição de Temer e Dilma pelo TSE

A avaliação feita pelo PSDB é que o TSE não tomará uma decisão que vai abrir espaço para o que consideram um eventual retrocesso no país

Brasília  – A cúpula do PSDB trabalha com um primeiro cenário, no julgamento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) previsto para começar nesta terça-feira, no qual a chapa Dilma Rousseff-Michel Temer será absolvida pela corte, disse à Reuters um tucano da direção partidária que conversou nos últimos dias com importantes quadros do partido.

A avaliação feita pelo PSDB é que o TSE não tomará uma decisão que vai “olhar para trás”, isto é, abrir espaço para o que consideram um eventual retrocesso no país.

Também não houve, no período de recrudescimento de crise, movimentos de rua cobrando a condenação pelo TSE.

Na sexta-feira, Temer pediu ajuda do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para conter a rebelião da ala jovem do partido que defende o imediato desembarque do governo.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, outro expoente tucano, também foi contactado recentemente para garantir a permanência do PSDB na base do governo.

“Ambos estão muito cautelosos, têm muita temperança olhando para o quadro atual”, disse um tucano com trânsito com os dois e que conversou com eles recentemente.

O segundo cenário com que o PSDB trabalha, segundo esse integrante da direção do partido, é de condenação apenas da ex-presidente Dilma.

O terceiro, que haja condenação tanto de Dilma quanto de Temer. O quarto e último cenário é que haverá um pedido de vista no processo.

De acordo com essa fonte, o partido vai sair da base aliada caso Temer seja condenado pelo TSE, independentemente de um eventual recurso que o presidente possa apresentar ao próprio TSE ou ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar permanecer no cargo.

Na quinta-feira deve haver uma reunião da Executiva do PSDB inicialmente para avaliar a conjuntura. Uma definição sobre se o partido segue ou não no governo dependerá, no entanto, do julgamento no TSE.

A cúpula do PSDB está determinada a não apoiar o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), numa eventual eleição indireta para substituir Temer na Presidência.

O partido –que tentou viabilizar o nome do presidente interino da legenda, senador Tasso Jereissati (CE)– deseja um nome de maior estatura política para o caso de Temer não permanecer no cargo.